Bolsas

Câmbio

Interessados em comprar Twitter podem herdar problemas

Sarah Frier

(Bloomberg) -- A Salesforce.com e outras empresas que estão de olho em adquirir o Twitter poderão pagar mais de US$ 16 bilhões para colocar as mãos nos valiosos dados da empresa de rede social. Mas herdarão também os desafios, como as turbulências na direção da empresa, o crescimento medíocre e uma crise de identidade não resolvida.

Embora continue sendo um destino de conversas entre pessoas influentes, o Twitter seria difícil de assimilar. O CEO e cofundador Jack Dorsey tem outro emprego de CEO na Square e pode não seguir à frente da empresa após a aquisição.

A empresa o colocou no comando no ano passado após uma busca extensa que provocou saídas de executivos, e a execução de novas mudanças estratégicas poderá levar à partida de mais funcionários valiosos. A equipe de produto do Twitter, por exemplo, passou pelo comando de pelo menos cinco pessoas em seis anos.

Outro fator é a falta de crescimento -- o motivo pelo qual comenta-se que a empresa está considerando uma venda. A base de usuários do Twitter estagnou nos EUA por seis trimestres seguidos.

Os anunciantes não estão gastando tanto quanto se esperava, em grande parte porque não podem justificar a compra de mais anúncios se o público não está crescendo. "A proposta de valor do Twitter para os anunciantes pode estar desaparecendo", escreveu o analista Mark Mahaney, da RBC Capital Markets, após pesquisa recente com anunciantes.

Além disso, a empresa está passando por uma mudança de identidade que poderia transformá-la em uma empresa mais de mídia do que de tecnologia.

O Twitter ainda tem um grande potencial -- as eleições geram uma enxurrada de tuítes, milhões ainda seguem estrelas como Kim Kardashian e os cidadãos ainda utilizam o serviço para protestar contra regimes opressores ao redor do mundo.

Mas a empresa não transformou tudo isso em um público mais amplo, embora Facebook, Instagram, Snapchat e outros estejam assumindo papéis semelhantes na sociedade.

A empresa está tentando mudar isso com uma nova estratégia focada no conteúdo. A empresa assinou um acordo com a Liga Nacional de Futebol Americano (NFL, na sigla em inglês) para transmitir vídeos ao vivo dos jogos de quinta-feira à noite juntamente com tuítes sobre eles e está fazendo o mesmo com outros esportes, eventos políticos e programas de entretenimento.

Com novos aplicativos em serviços de streaming como a Apple TV, o Twitter exibirá conteúdo, com foco em vídeos, para tentar atrair novos usuários, sem a confusão de criar uma conta e decidir a quem seguir. Qualquer empresa que adquirir o Twitter assumirá essa estratégia, com poucas evidências de que ela esteja reanimando o crescimento da base de usuários.

"A empresa aspirava ser algo que nunca conseguiu alcançar -- queria ser um serviço onipresente que todos usassem diariamente ou com maior frequência", disse Brian Wieser, analista da Pivotal Research Group. "O problema é que se presumiu que todos queriam o que o Twitter oferecia -- e esse foi o erro que eles cometeram".

O Twitter não tinha recebido propostas oficiais até sexta-feira e não há garantia de que ocorrerá uma aquisição. Contudo, a Salesforce já expressou interesse suficiente para que o conselho do Twitter contratasse o Goldman Sachs e o Allen & Co. para buscarem outros potenciais compradores, segundo pessoas familiarizadas com a situação.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos