Diamantes mais baratos ficam de fora da recuperação de preços

Thomas Biesheuvel

(Bloomberg) -- A recuperação dos preços dos diamantes está deixando de lado as gemas menores e de qualidade inferior.

No caso dos diamantes menores, os preços caíram 15 por cento neste ano, mostram dados compilados pela Bloomberg. A queda contrasta com o aumento médio de 7 por cento de todas as pedras que ainda não foram cortadas e polidas. O mercado como um todo está se recuperando depois que a De Beers e a russa Alrosa reduziram a oferta em 2015 para melhorar as vendas.

A queda das gemas de menos de 0,75 quilate é, em parte, consequência da estocagem dos produtores, que deixou uma "enorme oferta" por vender no primeiro semestre, disse Johan Dippenaar, CEO da Petra Diamonds, que tem sede em Johannesburgo. Os fabricantes também estão recorrendo a tipos maiores e de qualidade superior, que podem ser comprados e vendidos mais rapidamente, informou a consultoria Gemdax. Além disso, as pedras mais baratas são as mais ameaçadas pela ascensão dos diamantes produzidos pelo homem.

Os preços médios dos diamantes brutos caíram 18 por cento no ano passado, maior declínio desde 2008, porque a desaceleração da demanda chinesa e a crise de crédito de todo o setor reduziram as aquisições. A queda levou a De Beers e a Alrosa a segurarem a oferta para respaldar os preços. Embora tenha havido uma recuperação geral neste ano, alguns executivos do setor de mineração e analistas de bancos têm questionado se a recuperação será duradoura.

Essa recuperação não se estendeu a todos os tipos. Entre os diamantes pequenos, aqueles classificados como de ótima qualidade tiveram neste ano desempenho superior às chamadas pedras comerciais, variedades de menor clareza, muitas vezes cinzentas ou marrons.

Para os cortadores e polidores, está demorando menos para gerar lucro com as pedras maiores do que com as menores. Muitos fabricantes que viram seus lucros serem espremidos se voltaram mais aos tipos maiores para obter um retorno mais rápido sobre seu capital, o que aumentou a demanda, segundo Anish Aggarwal, sócio da Gemdax em Antuérpia.

Existe também o fantasma dos diamantes produzidos em laboratórios, em vez de serem extraídos por meio de mineração, que paira sobre a camada mais baixa do setor. Embora respondam por apenas uma fração das vendas globais de diamantes, eles representam a maior ameaça às gemas naturais tradicionais de menor qualidade porque os consumidores podem obter um produto mais atraente. Existe também uma preocupação no setor de que os diamantes menores produzidos pelo homem possam passar mais facilmente por pedras extraídas por meio de mineração.

Embora os diamantes produzidos pelo homem representem um risco maior caso a indústria de diamantes não invista mais na promoção dos tipos tradicionais, eles também podem ajudar a atrair mais clientes, disse Aggarwal.

"Existe um risco de que os diamantes produzidos possam substituir os diamantes naturais, mas eles também poderiam ampliar o mercado", disse ele. "Eles poderiam aumentar as possibilidades das joias de diamantes de nível de entrada."

Título em inglês: Not All Diamonds Enjoy Recovery as Budget Stones Get Left Behind

Para entrar em contato com o repórter: Thomas Biesheuvel em Londres, tbiesheuvel@bloomberg.net, Para entrar em contato com os editores responsáveis: Telma Marotto tmarotto1@bloomberg.net, Patricia Xavier

©2016 Bloomberg L.P.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos