Bolsas

Câmbio

Fãs de rock viram precursores de dinheiro eletrônico no Japão

Chris Cooper, Gareth Allan e Kiyotaka Matsuda

(Bloomberg) -- Quem foi ao Fuji Rock Festival no Japão, como Ai Okuyama, um funcionário de tecnologia da informação de 37 anos, pôde usar pela primeira vez cartões de pagamento para comprar comida e cerveja enquanto assistia aos shows de Beck e Red Hot Chili Peppers.

"Evitar a sequência de pegar a carteira, tirar o dinheiro, guardar o troco e botar a carteira de volta na mochila foi muito bom", disse Okuyama, "especialmente porque normalmente você está com uma cerveja na mão, então tem que fazer tudo com a outra".

Fãs de rock e outros 60 milhões de pessoas que possuem cartões emitidos pela East Japan Railway estão abrindo caminho para um futuro sem dinheiro físico no Japão, país cujos habitantes ainda vão às lojas com 100.000 ienes (US$ 980, quase R$ 3.200,00) em dinheiro para comprar uma televisão.

A operadora de trens, conhecida como JR East, quer ajudar a romper o apego às notas e moedas que existe no país fazendo com que cada vez mais pessoas usem seus cartões Suica para outras coisas, além do transporte. Na agenda: impulsionar o uso em shows de rock, festivais de cerveja e pontos turísticos para ficar com uma fatia maior do crescente mercado japonês de pagamentos eletrônicos.

Planos de expansão

JR East visa expandir seu sistema de dinheiro eletrônico em 39 por cento e chegar a 8 milhões de transações diárias em 2020, segundo Hajime Yamada, diretor da divisão Suica da empresa. Para atingir essa meta, a empresa pode receber ajuda do seu recente acordo com a Apple para incluir o Suica no novo iPhone, possibilitando que os consumidores paguem o transporte deslizando o dedo no telefone.

Cartões concorrentes, incluindo os emitidos por varejistas, como o Waon, da Aeon, e o Nanaco, da Seven & i Holdings, podem ser usados em lojas de conveniência e supermercados e oferecem pontos por fidelidade. Outro cartão, o Pasmo, funciona nos trens e na maioria das lojas que aceitam dinheiro eletrônico.

Contudo, o país ainda tem muito trabalho pela frente. O Japão não é nada em comparação com países como a Coreia do Sul e Cingapura, que já adotaram os pagamentos digitais.

Cartões de crédito e débito e dinheiro eletrônico representam somente 17 por cento do consumo de varejo no Japão, frente a 85 por cento na Coreia, 56 por cento em Cingapura e 35 por cento na Índia, segundo um relatório publicado pela Associação de Consumidores de Crédito do Japão.

A utilização nos EUA, que inclui apenas dados para cartões de crédito e débito, ultrapassa 40 por cento.

"O dinheiro era o nosso maior rival quando começamos com o dinheiro eletrônico, mas na verdade tudo se resume a aumentar o número de lojas que aceitam o cartão", disse Yamada. "Com um único cartão Suica, você poderia pegar um trem em qualquer parte do país, andar de ônibus ou de táxi - qualquer tipo de transporte - e ainda por cima comprar em qualquer lugar. Isso seria o ideal".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos