Bolsas

Câmbio

Incapacidade de entender apelo de Trump é risco para mercados

Sangwon Yoon

(Bloomberg) -- Minutos após o início do debate presidencial da semana passada nos EUA, os investidores decidiram que Donald Trump, um candidato que muitos deles temem, estava sendo eclipsado por Hillary Clinton. Isso, segundo eles, ajudaria a conter o avanço de Trump. Consequentemente, apostaram de maneira frenética na valorização do peso mexicano, moeda que se tornou um termômetro eleitoral. No dia seguinte, o S&P 500 Index deu um salto de 0,6 por cento.

Mas a candidatura de Trump não depende de habilidades em um debate político e, segundo vários analistas de mercado, não entender isso poderia levar os mercados ao tipo de passo em falso e à turbulência que aconteceu quando o Reino Unido decidiu, em referendo, sair da União Europeia.

"Este é um contexto diferente, mas nós continuamos olhando para ele com o mesmo tipo de lente", disse Tina Fordham, diretora global de análise política do Citigroup em Londres. "E se estiver tudo errado porque a sociedade, a tecnologia, os métodos de pesquisa de opinião e tudo o mais não conseguem captar os eleitores marginalizados como captavam?".

Fordham diz que esta campanha presidencial parece uma eleição em um país em desenvolvimento, onde a desconfiança da população em relação ao governo é alta e as teorias conspiratórias predominam. Os mercados parecem não perceber o quanto esse baixo nível de confiança aumenta o risco de um voto contrário ao establishment, concordou Vincent Chaigneau, diretor global de juros e estratégia cambial do Société Générale.

O chamado VIX "indicador do medo", que mede a volatilidade futura do mercado acionário, está bem abaixo da média de cinco anos, um claro indício de que os investidores não estão preocupados. Os mercados de apostas e projeções informam consistentemente uma provável vitória de Hillary, que é amplamente favorecida pelos mercados.

"O maior consenso atual no mercado é que acabará havendo uma vitória fácil de Hillary e um Congresso dividido em Washington", disse David Woo, diretor global de juros e estratégia de câmbio do Bank of America Merrill Lynch. "Eu acho que o mercado nunca pensou que Trump fosse um obstáculo para ela."

Assim como outros analistas, David Rothschild, economista da Microsoft Research, disse que os mercados não são capazes de entender e precificar choques não-econômicos sem precedentes. Uma análise histórica das reações do mercado a acontecimentos políticos mostra que diante do desconhecido ou de situações pouco habituais os investidores apostam no resultado que eles preferem, independentemente da probabilidade.

Rothschild, que dirige o PredictWise, modelo de previsão online que utiliza dados de apostas do setor, disse que a preferência dos traders por resultados que favorecem altas do mercado simplifica a realidade.

"O Brexit era ruim para todo mundo no mercado, então houve certa dose de desvalorização desse resultado", acrescentou ele. "Basicamente, todo mundo no mercado ia sair perdendo."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos