Bolsas

Câmbio

Análise: As preocupações nas bolsas dos EUA após a eleição

Michael P. Regan

(Bloomberg) -- Assim como quase todos os americanos, os mercados financeiros dos EUA estão obcecados com o desfecho da eleição presidencial.

É compreensível, uma vez que os mercados - que notoriamente detestam incerteza - foram obrigados a lidar com a arrancada na reta final de um candidato que é a incerteza em carne e osso.

Mas vamos presumir que a eleição se desdobra de acordo com as indicações das pesquisas de intenção de voto e que o pregão abrirá na quarta-feira após uma vitória irrefutável de Hillary Clinton.

Com o que então os mercados vão se preocupar? Sempre haverá motivos para preocupação. Neste caso, as preocupações serão as mesmas de sempre.

Começando pelos lucros das empresas. Não há tantos motivos para se perder o sono quanto no passado. Mais de 85% das empresas já divulgaram os balanços do terceiro trimestre e, aparentemente, a chamada recessão dos lucros terminou. Segundo os números já apresentados pelas componentes do S&P 500, o crescimento ajustado do lucro para o índice é de 3,2% e o crescimento do faturamento é de 2,2%.

A perspectiva para os próximos trimestres é ainda melhor. No entanto, é preciso ter cautela com essas estimativas. A expectativa era que os lucros teriam forte crescimento em 2016, mas agora a projeção é de pouca variação.

As previsões para a expansão do PIB dos EUA em 2017 foram consideravelmente reduzidas e até implicam probabilidade de recessão pequena, mas não irrisória: 20%. Também é preciso lembrar que as empresas de energia são as que puxariam o crescimento dos lucros, com alta projetada surpreendente de 337% em 2017 e 45% em 2018.

No entanto, é preciso que o preço do petróleo coopere e ultimamente o barril anda pressionado. Talvez a fraqueza na cotação tenha pouco a ver com a aversão a risco nas últimas duas semanas e muito a ver com temores de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) não conseguirá implementar os planos de reduzir a produção. O barril se estabilizou e subiu um pouco ontem, mas não no ritmo acelerado observado para os preços de outros ativos de risco.

E tem aquele velho amigo dos mercados, o Federal Reserve (banco central dos EUA).

A recente aversão a risco parece não ter abalado a probabilidade de uma elevação na taxa básica de juros pelo Fed em dezembro.

Por fim, os múltiplos dos ativos permanecem elevados, seja qual for a métrica usada.

Nada disso deve impedir o avanço das bolsas em reação de alívio se Hillary for eleita, especialmente se isso ocorrer sob as condições preferidas dos mercados: com os republicanos no controle do Congresso e limitando o espaço para ela mudar demais as regras atuais. E quem sabe esse avanço das bolsas engate em uma alta típica de Natal, que empurraria os índices acionários para novos recordes perto do fim do ano.

Há otimismo em relação às chances de o Partido Democrata emplacar um terceiro mandato na Casa Branca. Todavia, é preciso que muita coisa dê certo para que as bolsas tenham desempenho tão bom no primeiro ano de Hillary quanto tiveram durante os anos em que Barack Obama foi presidente.

Esta coluna não necessariamente reflete a opinião do conselho editorial da Bloomberg LP e seus proprietários.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos