Trump surge como salvador insólito para tirar EUA do juro zero

Matthew Boesler

(Bloomberg) -- Sinais iniciais do mercado financeiro sugerem que a vitória de Donald Trump na eleição presidencial dos EUA pode logo acabar com o maior problema do banco central americano (Federal Reserve): as expectativas de inflação baixas.

Uma métrica do mercado de renda fixa para as expectativas de inflação dos investidores que inclui o risco associado a essas expectativas disparou desde o anúncio da vitória de Trump na quarta-feira. Investidores apostam que ele tornará a política fiscal mais expansionista, considerando promessas de campanha de corte de impostos e aumento dos gastos militares e com infraestrutura.

A movimentação do mercado é boa notícia para os integrantes do Fed, que vinham expressando preocupação com as expectativas baixas para a inflação, mas não chegaram a tomar medidas para elevar essas projeções, por acreditarem que o mercado de trabalho dos EUA está perto do pleno emprego.

A alta das expectativas tende a provocar a alta dos juros, o que por sua vez diminui a chance de o Fed ser obrigado a baixar a taxa básica para zero novamente no futuro próximo.

A presidente do Fed, Janet Yellen, resumiu a questão no rodapé de um discurso em junho.

"A noção de que a inflação pode ser baixa demais pode soar estranha para muita gente, mas inflação muito baixa geralmente significa juros nominais muito baixos, deixando pouco espaço para a política monetária reduzir os juros para compensar choques adversos na economia, portanto aumentando as chances de que recessões e demissões associadas sejam mais severas e persistentes", ela disse.

A expectativa dos consumidores americanos para a inflação em cinco a dez anos caíram em outubro para o menor nível nos 37 anos de dados coletados pela pesquisa mensal da Universidade de Michigan.

A queda nas expectativas ajuda a explicar porque o Fed reluta em subir a taxa básica de juros, que permanece próxima de zero mesmo após um acréscimo em dezembro--o primeiro em praticamente uma década.

A manutenção dos juros baixos eventualmente poderia impulsionar a inflação para um nível que levaria ao aumento das expectativas para o avanço dos preços. Porém, a economia americana ficaria vulnerável a choques neste ínterim que poderiam forçar um novo ciclo de flexibilização monetária, mas com o Fed quase sem munição.

Se for acertado o entendimento dos investidores de que Trump melhora a perspectiva para a economia e a inflação, os consumidores eventualmente poderão ter a mesma opinião.

"Os mercados estão tentando avaliar o que o resultado da eleição significa", afirmou o responsável pelo escritório regional do Fed em Saint Louis, James Bullard, respondendo a perguntas na quinta-feira após um discurso na mesma cidade.

"Certamente rompe a paralisia em Washington, que tem sido uma queixa importante sobre como a economia opera, pelo menos nos seis anos em que o governo esteve dividido."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos