Bolsas

Câmbio

Comércio entre EUA e China coincide com aumento de suicídios

Jeanna Smialek

(Bloomberg) -- A ideia de que a globalização não está dando certo para todos se tornou o centro das atenções em 2016, quando o populismo varreu o planeta como resultado do discurso contrário ao livre comércio e à imigração.

Novas pesquisas dão bases à discussão ao concluir que o comércio mais livre entre EUA e China chegou junto com taxas de suicídio mais altas entre homens brancos em condados dos EUA fortemente afetados.

O lado sombrio da liberalização comercial

Em 2000, os EUA concederam o status de relações comerciais normais e permanentes à China, uma decisão que expôs algumas empresas americanas a uma maior concorrência de baixo custo. Uma nova análise realizada pelo economista do Federal Reserve Justin Pierce e por Peter Schott, da Yale School of Management, conclui que os condados vulneráveis a essa mudança de dinâmica mostraram mortalidade mais alta devido a causas de óbito "vinculadas à perda relativa de emprego e renda" -- particularmente suicídio.

A relação entre as novas regras comerciais e o suicídio se concentrou entre homens brancos, segundo o artigo científico, o que faz sentido porque eles são fortemente empregados no setor de manufatura. A política comercial também chegou com menos ataques cardíacos fatais, "talvez devido à perda de emprego em setores que exigem atividades extenuantes fisicamente".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos