Bolsas

Câmbio

Republicanos decidem quem pode parar Le Pen

Os Editores

(Bloomberg) -- No domingo, o partido francês Os Republicanos escolherá seu candidato para a eleição presidencial do primeiro semestre do ano que vem. As pesquisas de opinião dizem que Os Republicanos levam tanta vantagem que o partido, na verdade, está prestes a nomear o próximo presidente da França - Alain Juppé ou François Fillon, ex-primeiros-ministros que propõem programas conservadores não muito diferentes.

Seria bom se desta vez as pesquisas acertassem. A alternativa provável para qualquer um desses homens seria desastrosa - e não apenas para a França.

O apoio ao Partido Socialista desmoronou: o índice de aprovação (se essa for a palavra certa) do presidente François Hollande é de 4 por cento. Então, é provável que o candidato republicano enfrente Marine Le Pen, líder da populista Frente Nacional. Ela é a resposta da França a Donald Trump, só que com mais autodisciplina, mais xenofobia e uma ideia mais clara de seu objetivo. Se ela ganhar, a União Europeia ficaria ferida, talvez fatalmente. Na comparação, o Brexit seria apenas um pequeno incômodo.

Le Pen comemorou o triunfo do Brexit no Reino Unido, em junho, como o começo do fim da UE - projeto que ela descreveu como "objetivamente um fracasso total". Uma UE sem a França, que concebeu e construiu a UE junto com a Alemanha, é objetivamente difícil de imaginar. Uma vitória da Frente Nacional abalaria a Europa mais violentamente do que a vitória de Trump abalou os EUA.

As pesquisas sugerem que tanto Fillon quanto Juppé devem ganhar facilmente de Le Pen - mas há muitas incógnitas. Não se sabe quem representará os socialistas, por exemplo, nem se Emmanuel Macron (que deixou o governo neste ano e lidera um novo partido) conseguirá muito apoio. Mas agora a ameaça de Le Pen parece real.

Fillon se saiu inesperadamente bem na primeira rodada da eleição primária e parece estar bem posicionado para vencer Juppé e conseguir a nominação - isso é bom, porque ele seria um rival mais forte de Le Pen. Em comparação com Juppé, ele não é amigo do multiculturalismo nem da Comissão Europeia. Ele tem uma postura de linha-dura em relação ao "totalitarismo islâmico". Ele diz que os imigrantes deveriam se assimilar, quer limitar a imigração vinda de fora da UE e propõe reformar (mas não desmantelar) o sistema de movimentos dentro das fronteiras da UE. Isso o coloca em melhor posição para impedir que o apoio conservador deslize para Le Pen.

As reformas econômicas duras, mas benéficas de Fillon - entre elas, a desregulamentação do mercado de trabalho - também têm a vantagem de serem exatamente o que a França precisa. O país pode até estar pronto para elas.

Le Pen não é a única rebelde populista da Europa e lidar com esse perigoso aumento do descontentamento não é tarefa exclusiva dos políticos franceses. Os governos e instituições dos outros países-membros da UE precisam reconhecer que muitos cidadãos têm dúvidas sobre o projeto. Sem consentir nem se render, eles precisam mostrar que os estão escutando. Ignorar essas preocupações foi uma falha no processo do Brexit. A UE não pode se dar ao luxo de cometer o mesmo erro com a França.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos