Bolsas

Câmbio

Morgan Stanley vê 'ameaça tripla' a mercados emergentes em 2017

Isobel Finkel

(Bloomberg) -- Trios famosos começaram a dar as caras junto com o final do ano.

Não só os três reis magos se aproximam com as festas, mas os três fatores de impulso às bolsas globais do Société Générale, a tríade de ameaças geopolíticas à economia global da Eurasia Group e o recém-chegado esquema triplo do Morgan Stanley para compreender os mercados no ano que chega.

Os estrategistas do banco percebem uma "ameaça tripla" às economias emergentes em 2017: dólar mais valorizado, elevação dos juros nos EUA e possibilidade de maior protecionismo comercial estragando as condições que empurraram investidores ávidos por rendimento na direção dos mercados emergentes durante boa parte de 2016.

A equipe de pesquisadores do Morgan Stanley liderada por James Lord --que ganhou fama ao criar os "Cinco Frágeis" em 2013, quando os analistas ainda creditavam os leitores com maior habilidade aritmética-- prevê que esses fatores irão deprimir as taxas de retorno dessa classe de ativos durante o primeiro semestre de 2017, à medida que a alta dos rendimentos domésticos oferece melhor recompensa dentro de casa a investidores americanos e europeus.

O trio de vulnerabilidades dos mercados emergentes é exacerbado pelos fluxos de capital especulativo que impulsionaram os ativos desses países ao longo deste ano. "Esperamos que o posicionamento pese negativamente, pelo menos nos próximos meses", afirmaram os pesquisadores sobre os níveis recordes de recursos. O cálculo deles é que mais de um terço do dinheiro direcionado a dívidas de mercados emergentes desde fevereiro foi canalizado pelos voláteis fundos negociados em bolsa.

O Morgan Stanley recomenda foco em economias que atenuaram os desequilíbrios externos que lhes conferiam a etiqueta vermelha com a palavra "frágil" anteriormente. Em 2013, o entendimento era que países com déficits em conta corrente grandes eram os mais expostos à redução gradual do programa de compra de títulos pelo banco central americano (Federal Reserve). Agora, as vulnerabilidades externas voltam a diferenciar os ativos desses países.

Com o aumento da taxa básica de juros dos EUA dado como praticamente certo em dezembro, o Morgan Stanley considera precária a situação dos títulos soberanos de México e África do Sul, com spreads estreitos demais para absorver potenciais choques no futuro. 

Por outro lado, o banco espera desempenho superior para títulos do Brasil, Indonésia e Sérvia, que aprimoraram suas vulnerabilidades externas. De todo modo, houve melhora importante nos mercados emergentes em relação a 2013, único ano desde a crise financeira em que registraram taxas de retorno total negativas.

"Acreditamos que os mercados emergentes vão lidar com o novo paradigma e evitar uma queda significativa", escreveu a equipe de Lord. "Uma razão importante para isso é que os fundamentos dos mercados emergentes estão em melhor forma do que antes do surto de 2013."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos