Bolsas

Câmbio

Fãs do Macintosh acusam Apple de abandono

Mark Gurman

(Bloomberg) -- Para seus maiores fãs, o Macintosh, da Apple, atualmente parece estar perdendo importância dentro da empresa.

As atualizações do Mac, antes frequentes, são escassas e espaçadas. O Mac Pro, computador de ponta da Apple, não é renovado desde 2013. O Mac mini, acessível e flexível, foi atualizado pela última vez em 2014. E quando uma nova máquina finalmente é lançada, os resultados às vezes são decepcionantes ou até irritantes para os mais devotos.

Em outubro, após mais de 500 dias sem atualização, a Apple revelou o novo MacBook Pro, com um design mais fino e alto-falantes mais potentes. O laptop recebeu críticas favoráveis, em sua maioria, da imprensa especializada em tecnologia, mas também reclamações dos profissionais de criação, um eleitorado-chave. Eles disseram que o aparelho tem desempenho inferior ao dos produtos rivais.

Entrevistas com pessoas familiarizadas com o trabalho interno da Apple revelam que o Mac está recebendo muito menos atenção do que antes. Elas dizem que a equipe do Mac perdeu força dentro do famoso grupo de design industrial liderado por Jony Ive e da equipe de software da companhia. Elas também descrevem a falta de uma direção clara por parte da cúpula da empresa e relatam saídas de pessoas importantes que trabalhavam no hardware do Mac e desafios técnicos que têm atrasado o lançamento de novos computadores.

O Mac gera apenas cerca de 10 por cento das receitas da Apple, mas a companhia não pode se dar ao luxo de deixar designers profissionais e outros clientes corporativos de lado. Afinal, eles ajudaram a impulsionar a recuperação da Apple no fim dos anos 1990. Peter Kirn, fundador de um website para criadores de música e vídeo, fez uma crítica contundente: "Trata-se de uma empresa que não tem uma visão real do que seus usuários mais criativos fazem de fato com suas máquinas mais avançadas."

Se mais usuários do Mac trocarem de marca, o ecossistema da Apple pode se tornar menos pegajoso -- abrindo as portas para que as pessoas abandonem produtos de valor mais alto como o iPhone e o iPad.

As pessoas atualmente têm mais opções. A Microsoft, antes ridicularizada pelos clientes fiéis do Mac por seu software desajeitado e cheio de bugs, fornece o Windows 10, que oferece a funcionalidade estilo tablet criada pela Apple com o iPad. Os computadores Surface da Microsoft trazem uma qualidade semelhante à da Apple e um programa de pintura criativa voltado à audiência do Mac que recebeu críticas positivas. Percebendo uma oportunidade, a Microsoft classificou o MacBook Pro como uma "decepção" e afirmou que mais usuários do que nunca estavam fazendo a troca pelos laptops Surface.

Um porta-voz da Apple preferiu não comentar o assunto. Contudo, a empresa afirmou que o Macintosh continua sendo um de seus produtos mais importantes e nega que ele tenha sido deixado de lado em favor de outros aparelhos.

Os fãs do Mac não devem esperar novos designs radicais em 2017. Em vez disso, a empresa está preparando atualizações modestas: portas USB-C e um novo processador gráfico da Advanced Micro Devices para o iMac, além de pequenos aumentos no poder de processamento do MacBook de 12 polegadas e do MacBook Pro. Portanto, é melhor deixar a irritação de lado.

Título em inglês: How Apple Alienated Mac Loyalists

Para entrar em contato com o repórter: Mark Gurman em São Francisco, mgurman1@bloomberg.net, Para entrar em contato com os editores responsáveis: Daniela Milanese dmilanese@bloomberg.net, Patricia Xavier

©2016 Bloomberg L.P.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos