Bolsas

Câmbio

Michael Kors e Prada temem queda e reduzem modelos de bolsa

Stephanie Wong

(Bloomberg) -- Fabricantes de bolsas estão ocupadas combatendo o enfraquecimento da demanda e as reduções de preços nas lojas, e isso pode ter desviado a atenção delas para algo que poderia garantir o sucesso no longo prazo: a criatividade.

Michael Kors Holdings, Prada, Louis Vuitton, que pertence à LVMH, e Burberry Group reduziram o número de modelos lançados no trimestre passado, de acordo com a Edited, que fornece análises sobre a indústria da moda. Embora fabricantes e lojistas estejam preocupados com ficar com excesso de mercadoria, a falta de inovação tornará mais difícil reconquistar o entusiasmo dos consumidores, disse Milton Pedraza, consultor do setor de luxo em Nova York.

"Há uma sensação de catástrofe no setor -- estão todos na defesa, ninguém no ataque", disse Pedraza, que dirige o Luxury Institute. "O que se vê é uma enorme quantidade de imitações, menos inovação e menos criatividade, justamente no momento em que é necessário ousar."

A demanda por produtos de alta gama dos EUA ficou abalada no ano passado com a valorização do dólar e com as dificuldades econômicas internacionais. O medo do terrorismo também reduziu o turismo, uma grande fonte de gastos em bens de luxo.

As ações das marcas de primeira sofreram. Michael Kors, Coach e a maioria dos concorrentes tiveram um desempenho inferior no Standard & Poor's 500 Index em 2016. A Ralph Lauren registrou queda de 19% no ano passado.

Prada foi uma rara exceção, com uma alta de 9 por cento em Hong Kong no ano passado, um desempenho superior ao ganho de 0,4% do Hang Seng Index.

A fabricante italiana de produtos de luxo, que observou o preço de sua ação cair mais da metade após o pico registrado em 2013, se recuperou depois que o presidente do conselho,

Carlo Mazzi, projetou em agosto que a empresa voltaria a crescer em 2017. Prada chegou a subir 9,6%, para 30,70 dólares de Hong Kong, na quarta-feira, atingindo o mais alto patamar intradiário desde março.

Estoque morto

Em muitas lojas, a coleção de bolsas de diversas marcas de alta gama foi significativamente menor no fim de ano. Nos últimos três meses de 2016, o número de modelos novos lançados pela Michael Kors caiu 24% em relação ao trimestre prévio.

Prada e Louis Vuitton lançaram 35% menos modelos novos, e o número caiu 8 por cento na Burberry, de acordo com a Edited, que tem clientes como a Ralph Lauren e a loja virtual de produtos de luxo Net-A-Porter.

A Michael Kors não tinha um comentário imediato sobre a redução. LVMH e Prada preferiram não comentar. Burberry também não quis comentar, embora a companhia tenha afirmado em novembro que iria simplificar sua oferta e adaptar novidades de acordo com "necessidades locais".

Lançar o número certo de modelos não é uma tarefa fácil. As marcas precisam atingir o delicado equilíbrio entre criar um excesso de estoque -- o chamado "estoque morto" -- e ao mesmo tempo garantir que haja suficientes mercadorias novas e na moda para instigar os consumidores, disse Katie Smith, analista sênior de moda da Edited.

"Reduzir ao mínimo as novidades sem dúvida pode ameaçar as vendas", disse ela.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos