Bolsas

Câmbio

Inflação pode despencar em 2017. E juro deve ir junto

Josué Leonel e Patricia Lara

(Bloomberg) -- Embora as expectativas sejam primordiais no regime de metas, os dados correntes de inflação também devem ter papel relevante em manter o sinal verde para o Banco Central cortar juros este ano. O IPCA acumulado em 12 meses deve registrar nova queda aguda ao longo de 2017, a exemplo do que já ocorreu no segundo semestre de 2016. Na mínima do ano, o índice pode ficar bem abaixo do centro da meta, de 4,5% ao ano.

"A inflação acumulada em 12 meses vai despencar", diz Cristiano Oliveira, economista-chefe do Banco Fibra. Integrante da minoria de analistas que previu o corte inesperado do juro para 13% na semana passada, Oliveira prevê que a inflação vai começar 2017 já em queda forte e poderá atingir o piso do ano em agosto, com 3,77% no acumulado em 12 meses.

Estatisticamente, o mergulho da inflação se explica pelo fator substituição. Os dados acumulados em 12 meses ainda incorporam a inflação mais alta dos primeiros oito meses de 2016. Esses dados mensais mais altos, porém, vão sendo paulatinamente substituídos por números novos e menores. Esta substituição começou em setembro do ano passado e deve prosseguir por boa parte deste ano.

Em janeiro de 2016, o IPCA foi de 1,27%, pressionado pela alta dos alimentados impulsionada pelo clima. Este ano, com clima mais benigno, o índice mensal deve cair para menos da metade, segundo a pesquisa Focus. Com isso, o dado acumulado em 12 meses despencará. Oliveira estima que o índice descerá de 6,29% em dezembro de 2016 para 5,52% agora em janeiro. E não são só os alimentos a causa da inflação melhor. Os preços de serviços desaceleraram com a recessão e o alto desemprego. E os núcleos do IPCA estão apontando para uma inflação em torno de 4% no ano, diz o economista do Fibra.

Se a inflação ficar significativamente abaixo do esperado e a atividade não engatar uma retomada, o BC pode mudar o ritmo de corte da Selic para 1 ponto percentual, diz Samuel Kinoshita, economista e sócio da Bozano Investimentos. Ele lembra que o próprio presidente do BC, Ilan Goldfajn, não fecha as portas para o outro tipo de movimento. "O Brasil deve trabalhar com taxa de juros no futuro próximo muito mais baixa, o que já está precificado na curva de juros."

Cristiano Oliveira espera um ciclo total de reduções maior do que estima a média do mercado. Ele trabalha com mais quatro cortes de 0,75 pp e dois de 0,50 pp este ano, num total de 4 pp - além do corte já feito este mês. Com isso, a Selic cairia dos atuais 13% para 9% no final do ano.

Apesar de riscos como os representados pelo governo Trump nos EUA e a Lava Jato no Brasil, o mercado também conta com as reformas fiscais para reforçar a percepção mais positiva sobre a economia.

--Com a colaboração de Rafael Mendes Para entrar em contato com os repórteres: Josué Leonel em São Paulo, jleonel@bloomberg.net, Patricia Lara em Sao Paulo, plara6@bloomberg.net, Para entrar em contato com os editores responsáveis: Daniela Milanese dmilanese@bloomberg.net.

©2017 Bloomberg L.P.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos