Bolsas

Câmbio

Nova avaliação do BCE pressionará proporção de capital de bancos

Nicholas Comfort

(Bloomberg) -- Alguns bancos europeus projetam que suas proporções de capital sofrerão pressões porque o principal órgão supervisor da região adotará uma visão mais conservadora sobre os modelos de risco.

No mês passado, o Banco Central Europeu aumentou as ponderações de risco que determinam o capital do maior grupo de serviços financeiros da Finlândia após detectar "deficiências" em seus modelos. Instituições como o Banco da Irlanda começaram a tomar medidas parecidas por conta própria antes de o BCE começar a visitar 68 bancos em 15 países no mês que vem para avaliar os modelos internos deles.

Modelos de risco criados pelos bancos estão no centro das preocupações de investidores e órgãos reguladores que consideram que eles estão priorizando a rentabilidade no curto prazo em detrimento de uma avaliação adequada dos riscos. A análise do BCE começa em um momento em que parecem incertas as chances de sucesso de um acordo entre os órgãos reguladores internacionais para impedir que os bancos manipulem o sistema.

"Continuamos extremamente cautelosos quanto ao resultado", disse Jeremy Masding, CEO do Permanent TSB Group Holdings, sobre a avaliação do BCE, em uma teleconferência com analistas no dia 8 de março.

Impacto

A revisão do BCE, que vai se estender até 2019, abrangerá todos os modelos internos de risco creditício para mercados e homólogos e pelo menos 60 por cento, ou cerca de 7 trilhões de euros, em exposição a risco creditício medida por qualificações internas.

A avaliação se encaixa na meta do BCE de harmonizar as práticas de supervisão na zona do euro, mas o banco central afirma que os modelos podem diferir e que o foco é reduzir a variabilidade "sem justificativa".

A medida já teve efeito. Em dezembro, o Banco da Irlanda modificou seu cálculo de risco para hipotecas irlandesas em não-default e reduziu cerca de 65 pontos básicos sua razão de common equity Tier 1, uma medição fundamental da força financeira.

Outros bancos minimizaram o possível efeito da avaliação do BCE. O Deutsche Bank, da Alemanha, afirmou em 6 de março que não prevê um "impacto substancial".

Panorama incompleto

Contudo, talvez os investidores não vejam o quadro completo. Além das medidas já tomadas pelos bancos, as firmas não necessariamente divulgarão dados tão detalhados a ponto de mostrar aumentos nos ativos com ponderação de risco especificamente por causa da avaliação.

Enquanto isso, os membros do Comitê de Supervisão Bancária de Basileia têm dificuldades para fechar um acordo para impedir que os bancos utilizem seus modelos de risco para reduzir suas exigências de capital. Os EUA pedem o chamado "piso", que limita o quanto as estimativas de risco podem ficar abaixo em relação às fórmulas padronizadas definidas pelos reguladores. A União Europeia, cujos principais bancos seriam os mais prejudicados pelas novas normas, defende a implementação de um piso mais baixo.

O BCE afirma que sua avaliação responde às preocupações de alguns órgãos reguladores sobre os modelos internos de risco e que deseja "ajudar a garantir que os modelos de fato estejam sendo utilizados adequadamente".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos