Imposto de renda é assunto que ninguém quer tocar no Chile

Philip Sanders

(Bloomberg) -- Em um país aparentemente obcecado em reduzir a desigualdade de renda, há um assunto delicado que nenhum político deseja mencionar, muito menos em ano eleitoral.

O governo do Chile ganha menos com o imposto de renda do que qualquer outro país da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), formada por 35 membros -- muito menos. Isso significa que os chilenos estão perdendo a oportunidade de aplicar mais impostos aos ricos.

Em vez disso, o governo da presidente Michelle Bachelet se concentrou em outras áreas do código tributário, optando por elevar o imposto corporativo em uma tentativa de financiar os aumentos de gastos com saúde e educação em 2014. Muitos atores da comunidade dos negócios atribuem a essa decisão a culpa pelos três anos de queda nos investimentos.

Parte dessa baixa coleta de impostos pode ser atribuída à fatia elevada de profissionais do Chile que escolhem ser pagos por meio de "sociedades de investimento" e que recebem lucros em vez de salários.

E não é o imposto de renda o que faz o Chile se destacar do restante da OCDE -- a categoria máxima do país, de 35 por cento, está em linha com a de muitas outras nações.

O que é diferente é o limite fiscal. Os chilenos só começam a pagar impostos quando ganham 180 por cento da renda média, contra uma média de 39 por cento da OCDE.

Não é surpresa que nenhum candidato, da esquerda ou da direita, proponha impostos maiores à crescente classe média do Chile. Em vez disso, o debate antes da eleição presidencial de novembro se concentra em uma segunda reforma dos impostos corporativos para simplificar o sistema atual ou até mesmo reduzir taxas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos