Bolsas

Câmbio

O repentino fim do sucesso internacional de programas da Netflix

Lucas Shaw

(Bloomberg) -- Em uma teleconferência em outubro do ano passado, o diretor de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, descreveu o drama hip-hop "The Get Down" como um sucesso, assim como os outros programas populares do serviço de streaming.

Oito meses e 11 episódios depois, "The Get Down" virou coisa do passado, um fiasco após uma temporada no maior serviço de vídeo pago do mundo. O thriller de ficção científica "Sense8", outra das extravagantes produções da empresa, foi cancelado após duas temporadas.

A série de cancelamentos pegou Hollywood de surpresa. A Netflix desafiou as convenções porque não oferece nenhum indício de quantas pessoas assistem a seus programas e afirma que praticamente todos são um sucesso. Isso atormentou os concorrentes, preocupados com a crescente base de clientes da Netflix e com suas influências em Hollywood. A empresa de streaming gastará mais de US$ 6 bilhões em programação neste ano e boa parte será destinada a cerca de 1.000 horas de programas originais.

"Essa é uma vantagem competitiva", disse Anthony DiClemente, analista da Instinet. "Eles sabem mais sobre quem e sobre quantas pessoas estão assistindo do que os próprios criadores de conteúdo."

Os cancelamentos são comuns em todas as redes de TV -- inclusive na Netflix, que concluiu a maior parte de sua primeira safra de programas originais. Sem a necessidade de atrair anunciantes, a empresa está protegida das classificações semanais de público que definem o destino da maioria dos dramas e comédias. Estima-se que cerca de 18 milhões de pessoas assistem a "NCIS", da CBS, nas noites de terça-feira, mas ninguém sabe quantas veem "House of Cards", da Netflix -- especialmente as pessoas de Hollywood que disputam uma fatia do orçamento anual de programação da empresa, de US$ 6 bilhões.

"Uma das melhores coisas da Netflix é que não precisamos divulgar classificações", disse o diretor executivo Reed Hastings em uma entrevista concedida nesta semana à CNBC. "Cada programa consegue um público próprio porque é muito personalizado."

Isso é ótimo para a Netflix e seus 100 milhões de clientes, que pagam até US$ 12 por mês pelo serviço. Sem pressão para fornecer classificações semanais, a empresa pode dar tempo para que os programas conquistem fãs. "House of Cards", o thriller estrelado por Kevin Spacey e Robin Wright, acaba de começar sua quinta temporada.

No escuro

Isso não é tão bom para os concorrentes -- nem para os produtores, que precisam encontrar maneiras de medir o sucesso de determinado programa e se perguntam se estão sendo bem remunerados pelo serviço de streaming. Sem dados, resta-lhes confiar nos comentários positivos que os executivos da Netflix fazem para todos os programas.

A Netflix se comprometeu a fornecer um lucro substancial em 2017 após anos de operação perto da taxa de equilíbrio e os resultados de fato atingiram um pico recorde no primeiro trimestre. No entanto, o fluxo de caixa continua sendo negativo e a empresa ainda contrai empréstimos para financiar a produção.

Isso sugere que a companhia cancelará rapidamente os programas que não estiverem funcionando.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos