Bolsas

Câmbio

Cidade de reatores nucleares é bombardeada por energia verde

Jesper Starn

(Bloomberg) -- Em uma sala de reator nuclear estranhamente tranquila no sul da Suécia, maquinários novos de cobre e aço com 50 metros de comprimento e centenas de toneladas de peso estão simplesmente paradas.

Comprados da França e da Alemanha como parte de uma atualização da agora defunta instalação Oskarshamn-2, turbinas, encanamentos de vapor e bombas de água deveriam ajudar a fornecer eletricidade barata para o mercado nórdico nas décadas seguintes. Em vez disso, eles provavelmente serão vendidos como ferro-velho. A pilha de sucata pode crescer ainda mais, porque outro reator do lugar produzirá seu último megawatt no fim de junho.

A usina é mais uma das vítimas do aumento sem precedentes da energia renovável, que derrubou as margens das estações de energia tradicionais e deixou milhares de trabalhadores do setor de energia tradicional sem emprego em toda a Europa. Oskarshamn também é o lar de um terceiro reator, cujo destino será traçado no fim deste ano pelas proprietárias Uniper e Fortum, uma decisão que servirá de guia para futuros investimentos em outros reatores atômicos suecos.

Para a cidade de Oskarshamn, o resultado da decisão da empresa de energia elétrica ? injetar ou não mais 1 bilhão de coroas (US$ 114 milhões) no maior reator da região para que ele continue funcionando até 2045 ? não poderia ser mais significativo. Como as demissões são iminentes em outras fábricas locais, de uma subempreiteira nuclear à fabricante de tratores Scania, a interrupção permanente da produção de energia seria mais um grande abalo para a cidade depois que seu estaleiro fechou as portas nos anos 1970, o maior empregador na época.

"Eu nem sequer ouso considerar plenamente esse cenário", disse Peter Wretlund, prefeito de Oskarshamn, em seu gabinete com vista para o porto da cidade no Mar Báltico. "Isso traria consequências graves para a população."

Governantes na Alemanha, na França e na Suíça decidem quando desativar reatores, mas a Suécia permitirá que as condições do mercado definam o destino de suas seis unidades restantes. Mesmo após a abolição de um imposto nuclear, as condições continuam difíceis para os operadores, que competem com a energia renovável subsidiada que circula pelas matrizes europeias.

Políticos locais temem pelo futuro da cidade. Um dos principais obstáculos para o crescimento é sua localização remota no litoral sul, longe das grandes cidades suecas. O aeroporto internacional de grande porte mais próximo é o de Copenhagen, o que significa mais um voo ou uma viagem de 4,5 horas de trem.

Por enquanto, o maior desafio da usina nuclear é reduzir os custos operacionais. A empresa pretende reduzir a folha de pagamento em 32 por cento, para 600 funcionários, até 2019 em contraste com o ano passado.

"Nós consideramos que poderemos atingir a rentabilidade no longo prazo", disse Johan Svenningsson, CEO da Uniper, em entrevista por telefone. "Mas ainda precisamos ver se é possível reduzir os custos aos níveis que precisamos antes de tomar uma decisão."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos