Bolsas

Câmbio

Perfuradores de xisto dos EUA podem derrubar preços do petróleo

Alex Nussbaum

(Bloomberg) -- O xisto americano corre o risco de frustrar seu próprio avanço.

Poucos meses depois de projetar aumentos de dois dígitos na produção, em grande parte com base no barril com preços entre US$ 55 e US$ 60, de repente os perfuradores contemplam a possibilidade de uma redução de custos, porque a persistente abundância da oferta global mantém os preços perto de US$ 46.

Essa reversão poderia conseguir o que a Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) e outros produtores globais não conseguiram neste ano: desacelerar o próspero setor de xisto dos EUA. Analistas e executivos de empresas afirmam que uma queda do barril para US$ 40 poderia deter o crescimento do número de sondas utilizadas por perfuradores menores em bacias de xisto menos ativas dos EUA e minar as iniciativas de fornecedores de serviços de fraturamento hidráulico, como a Halliburton, a FTS Internacional e a Patterson-UTI Energy, para aumentar suas taxas.

"As perspectivas de crescimento propostas por muitas empresas de exploração e produção de petróleo parecem fracas na melhor das hipóteses e pouco resistentes a uma situação prolongada de preços baixos do petróleo", escreveram Timothy Rezvan e James Lizzul, analistas da Mizuho Securities USA, em uma nota de 11 de junho. Eles mencionaram o aumento de custo dos serviços e a falta de proteção de coberturas do setor para o ano que vem.

Preços em queda

O mercado sofreu outro golpe baixista na terça-feira, quando o barril do petróleo West Texas Intermediate, a referência para os EUA, caiu para menos de US$ 46 porque um relatório do setor mostrou um aumento inesperado dos estoques de petróleo bruto nos EUA. Os estoques acrescentaram 2,75 milhões de barris na semana passada, segundo um relatório do American Petroleum Institute publicado na terça-feira, disseram pessoas familiarizadas com os dados.

O barril de petróleo está atolado abaixo de US$ 50 diante do receio de que a crescente oferta dos EUA esteja superando os cortes de produção feitos pela Opep e seus aliados. O número de sondas de petróleo ativas nos EUA é o mais alto desde abril de 2015. Na semana passada, o Departamento de Energia do país projetou que a produção nacional de petróleo bruto atingirá o recorde de 10 milhões de barris diários no ano que vem.

Os prestadores de serviços de fraturamento hidráulico podem ser os mais prejudicados se os exploradores repetirem a tática empregada na crise do ano passado. Os perfuradores poderiam tentar economizar dinheiro fazendo a perfuração inicial, mas não as tarefas finais de fraturamento que completam os poços, disse James Williams, presidente da WTRG Economics, uma consultoria de energia com sede no Arkansas.

As empresas de petróleo e gás deveriam considerar diminuir suas projeções de crescimento agora, mas provavelmente não farão isso, disseram Rezvan e Lizzul, da Mizuho. Como novas sondas de perfuração já foram instaladas, grande parte da produção de 2017 já está garantida, escreveram eles, embora as empresas possam discutir possíveis reduções das estimativas para 2018 quando informarem os resultados do segundo trimestre.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos