Bolsas

Câmbio

Tesla está perto de acordo para produção na China, dizem fontes

Bloomberg News

(Bloomberg) -- A Tesla está perto de um acordo para produzir veículos na China pela primeira vez, dando à fabricante de veículos elétricos um melhor acesso ao maior mercado automotivo do mundo, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

O acordo com a cidade de Xangai permitiria que a Tesla construísse instalações na zona de desenvolvimento de Lingang e pode ser fechado já nesta semana, disseram as pessoas, que pediram para não serem identificadas porque as negociações são privadas. Os detalhes estão sendo finalizados e o calendário do anúncio pode mudar. A Tesla precisaria formar uma joint venture com pelo menos um parceiro local, segundo as regras atuais, e ainda não está claro quem seria.

Representantes da Tesla na sede da empresa, em Palo Alto, Califórnia, não responderam imediatamente aos pedidos de comentário. Um porta-voz de Lingang não atendeu aos telefonemas feitos ao seu celular.

Estabelecer produção local é fundamental para o CEO Elon Musk para continuar crescendo na China, onde a receita da Tesla triplicou para mais de US$ 1 bilhão no ano passado. A montagem local de veículos permitiria que a empresa evitasse um imposto de 25 por cento que torna os sedãs Model S e os SUVs Model X mais caros do que nos EUA.

A China identificou os chamados veículos de nova energia como um setor emergente estratégico e busca multiplicar por 10 as vendas anuais de híbridos plug-in e carros totalmente elétricos na próxima década. O apoio do governo ajudou a China a superar os EUA em 2015 e se tornar o maior mercado mundial de automóveis com zero emissão.

As ações da Tesla subiram cerca de 2 por cento nas transações pós-fechamento do mercado nos EUA. A ação acumula ganho de 73 por cento neste ano. A Shanghai Lingang Holdings, empresa estatal desenvolvedora e proprietária de uma zona industrial, chegou a avançar 8,7 por cento, atingindo a maior alta intradiária em sete meses. Os telefonemas feitos ao escritório de relações com investidores da empresa não foram atendidos.

A redução dos custos dos carros elétricos é fundamental para as ambições de Musk de alcançar mais consumidores do mercado de massa. No mês que vem a Tesla deverá começar a produzir o Model 3, um sedã elétrico menor e mais acessível. A Tesla ainda não lançou o Model 3 na China. Nos EUA, os consumidores aguardaram em longas filas para entregar depósitos de US$ 1.000 pelo veículo.

Em março, a Tencent Holdings, maior empresa de internet da China, comprou uma participação de 5 por cento na Tesla por US$ 1,8 bilhão. A associação com a proprietária dos serviços de mensagens WeChat e QQ pode ajudar a fabricante de veículos a ganhar força em um mercado no qual mais de 200 empresas anunciaram planos de produzir veículos de nova energia.

A Tesla produziu cerca de 80.000 carros em 2016 e pretende ampliar o total em cerca de sete vezes, para 500.000 por ano até 2018. A fabricante também planeja decidir as localizações de até três das chamadas gigafábricas de bateria neste ano.

Em 2010 a Tesla comprou sua única fábrica de montagem de veículos da Toyota Motor, em Fremont, Califórnia, por apenas US$ 42 milhões. A empresa estimou que o custo de sua gigafábrica de baterias perto de Reno, Nevada, EUA, pode chegar perto de US$ 5 bilhões.

Título em inglês: Tesla Said Close to Agreeing on Plan for China Production

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos