Bolsas

Câmbio

Boeing supera Airbus com demanda asiática por 737 mais longo

Julie Johnsson, Benjamin Katz e Guy Johnson

(Bloomberg) -- A Boeing dominou o fluxo de negócios no Salão Aéreo de Paris, superando a rival Airbus graças à demanda asiática pelo novo Max 10, a versão maior de seu avião 737.

A fabricante de aviões dos EUA garantiu encomendas e demonstrações de interesse para cerca de 350 jatos avaliados em US$ 48 bilhões até a manhã de quarta-feira, contra um total de 229 aviões por US$ 24 bilhões da Airbus. Ambas as fabricantes deverão conseguir mais contratos de venda, mas a Airbus basicamente já reconheceu a derrota neste ano, afirmando que está concentrada em cumprir as metas de entregas para compensar dificuldades na produção em vez de procurar novos compradores.

O Boeing 737 Max 10 de corredor único, lançado para combater o campeão de vendas Airbus A321neo, garantiu 256 compromissos, incluindo conversões de pedidos existentes. Muitos negócios são tentativos, mas o volume geral superou o total de US$ 50 bilhões registrado na edição de 2016 do salão de Farnborough, Inglaterra, que foi o menor valor desde 2010. Os compradores asiáticos se mostraram particularmente ativos em um momento em que se preparam para uma aceleração da expansão das viagens. A situação contrasta com a compra relativamente restrita dos saturados mercados dos EUA e da Europa.

"Nunca vimos uma mudança demográfica como essa no mundo, em termos de escala e também de poder de compra", disse Domhnal Slattery, CEO da Avolon, depois que a terceira maior locatária do mundo encomendou US$ 8,4 bilhões em aviões Boeing. "Estamos respaldando essa tendência global."

À empresa de leasing, atualmente de propriedade da Bohai Capital Holding, com sede em Pequim, uniram-se outros compradores asiáticos de aviões Boeing, como a indiana SpiceJet, a aérea chinesa Okay Airways, a Japan Investment Adviser e a BOC Aviation. O braço de leasing do Banco de Desenvolvimento da China assinou contratos para a compra de aviões tanto da Airbus quanto da Boeing.

Pedidos à Airbus

A carteira de pedidos firmes a entregar da Airbus mais que dobrou em dois anos, para mais de 6.700 aviões, e em vez de buscar novas encomendas, a prioridade da empresa é acelerar as entregas após atrasos de produção da série A320neo e do avião de fuselagem larga A350, disse Fabrice Brégier, diretor de operações da fabricante, a investidores, em conferência, na quarta-feira. A companhia com sede em Toulouse, na França, ainda planeja entregar aos clientes neste ano cerca de 30 aviões a mais do que em 2016, o que significa que a empresa precisará acelerar o trabalho no segundo semestre, disse ele.

A Boeing informou que a demanda por modelos de corredor único e de jatos de fuselagem larga continua firme, apesar da preocupação em relação à turbulência econômica e política no Oriente Médio e dos baixos preços dos combustíveis, que desestimulam o investimento em aeronaves mais eficientes.

"Continuamos vendo muita força no mercado", disse o CEO da Boeing, Dennis Muilenburg, prevendo que as novas encomendas deverão basicamente igualar as entregas neste ano. "Acho que há certo potencial de aumento nesta semana" no Salão de Paris.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos