Bolsas

Câmbio

Oscilação da bitcoin é igual à de ETF campeão de volatilidade

Dani Burger

(Bloomberg) -- A volatilidade da bitcoin é de outro nível.

Com crashes repentinos da moeda virtual e uma série recente de ataques cibernéticos com pedidos de resgate (ransomware), ficou difícil achar um ativo comparável. Quem chega mais perto é um fundo negociado em bolsa com anabolizantes, já criado para ser altamente volátil.

O valor da bitcoin agora oscila mais do que o do Direxion Daily Junior Gold Miners Index Bull 3x Share, ou JNUG, um fundo negociado em bolsa (exchange-traded fund ou ETF) que usa recursos emprestados para entregar o triplo do retorno de um índice que acompanha as ações de mineradoras de pequeno valor de mercado. E o spread de volatilidade entre a bitcoin e a versão inversa a descoberto do fundo, o JDST, é o menor em mais de três anos.

O aumento da volatilidade impede que a bitcoin ganhe maior legitimidade no mercado. Desde o estouro de uma bolha, em 2014, a moeda digital ficou mais estável. A volatilidade concretizada em dois meses chegou ao menor nível em registro em abril do ano passado. Porém, as oscilações recentes são uma lembrança sofrida de que a bitcoin tem muito chão pela frente até se comportar como uma moeda tradicional, se é que isso irá acontecer algum dia, disse Dave Nadig, presidente da firma de pesquisas ETF.com, em São Francisco, na Califórnia.

"Houve muitos avanços e investidores e instituições estão levando mais a sério", disse Nadig. "Mas existem muitos pequenos passos para começar a haver legitimidade em um mercado e, por definição, a bitcoin é inerentemente desregulamentada. Parte do motivo para a volatilidade é a falta de uma estrutura de mercado."

Alguns investidores importantes apostaram alto na estabilização da bitcoin e a volta das grandes oscilações não é auspiciosa. O ex-gestor de fundos de hedge Michael Novogratz investiu 10 por cento de seu capital em moedas digitais. Ele estima que esse universo poderá movimentar US$ 5 trilhões e pretende comprar mais bitcoins se o valor cair abaixo de US$ 2.000. Atualmente, a moeda é negociada por mais de US$ 2.500.

A bitcoin avançou 167 por cento neste ano, mas está cada vez mais correlacionada com uma moeda virtual menor, chamada ether, cujo valor desabou de mais de US$ 300 para 10 centavos na semana passada na bolsa GDAX, da Coinbase, mas se recuperou logo em seguida.

"Nos últimos dois anos e meio até meados do ano passado, a volatilidade vinha caindo muito e se comparava à das small-caps", disse Spencer Bogart, responsável por pesquisa da Blockchain Capital, se referindo às ações de empresas de pequeno valor de mercado. "Um dos principais vetores é a negociação de bitcoins com outras moedas virtuais e quando ocorrem essas grandes disparadas, aumenta a chance de uma grande queda."

Os mercados de metais preciosos têm apresentado pouca volatilidade recentemente, ajudando a bitcoin a superar o índice das mineradoras. O CBOE/COMEX Gold Volatility Index recuou 25
por cento neste ano, atingindo o menor nível da história no mês passado. Ainda assim, JDST e JNUG são o terceiro e quarto ETFs mais voláteis entre 2.000 disponíveis nos EUA.

Os mercados financeiros costumam relacionar ouro e moedas virtuais por serem
alternativas ao dinheiro vivo. Porém, o metal precioso é usado desta forma há séculos e é geralmente mais estável do que a bitcoin, que surgiu em 2009.

"A ideia ampla é que houve aumento da aceitação de bitcoins entre vários grupos de investidores", disse Bogart. "A volatilidade pode estar afastando investidores maiores tradicionais que podem nem chegar perto.'"

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos