Bolsas

Câmbio

FDA planeja cigarro mais suave e fumantes veem futuro no vaping

Taylor Cromwell e Justin Mattingly

(Bloomberg) -- Todos sabem que o cigarro pode matar. No entanto, 36,5 milhões de adultos continuando fumando nos EUA.

Então, depois das etiquetas e dos alertas, das proibições em restaurantes e das assustadoras campanhas publicitárias, a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) está estudando uma abordagem radical para ajudar as pessoas a deixar de fumar: regular a nicotina nos cigarros. Se a FDA for adiante -- algo longe de ser certo --, a mudança pode levar algumas pessoas a largar o cigarro ou, pelo menos, a passar para produtos relativamente mais seguros, como cigarros eletrônicos ou "vaping".

Peruz Nazli, que estava sentada em um banco próximo ao Central Park, em Nova York, com pontas de cigarro ao redor dos pés, disse que ficou contente ao saber dos planos da agência.

"Vai ser mais fácil largar", disse a trabalhadora do comércio de 59 anos, que começou a fumar aos 14. "As pessoas olham para nós de um jeito diferente."

A iniciativa da FDA pode virar do avesso a indústria de tabaco americana, de US$ 130 bilhões. Além disso, é provável que desencadeie um lobby feroz e uma guerra jurídica em Washington, e que leve a indústria do cigarro a desenvolver produtos que dependam menos da queima do tabaco cancerígeno e mais do fornecimento de doses de nicotina por meio do vapor, que é mais limpo. As doenças relacionadas ao tabagismo custam US$ 300 bilhões por ano, segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês).

Entrevistas com fumantes de Nova York sugeriram que poucos tinham tomado conhecimento da proposta anunciada na semana passada, mas muitos disseram que estariam mais propensos a optar por novos dispositivos do que a fumar um cigarro diluído atrás do outro. Alguns deles já fizeram a mudança.

Meio-termo

Kevin Cleare, de 36 anos, que ganhou seu primeiro cigarro de um colega do Ensino Médio aos 13 anos, passou para o vaping (inalação de vapor) há três anos por conselho de seu médico.

Ele deixou de fumar cigarros pela primeira vez há três anos, mas retomou por alguns meses em meio a uma separação estressante antes de passar para o vaping. Agora, ele afirma que "nunca voltará a fumar" e que o vaping parece ser uma opção de longo prazo.

"Estou com tanto nojo dos cigarros -- do cheiro, do gosto", disse ele. "Isso é um meio-termo justo e razoável."

Nas últimas décadas, os órgãos reguladores dos EUA proibiram o fumo em muitos lugares públicos, enviando fumantes para ambientes externos ou para cantos isolados. O índice de uso de cigarros por adultos diminuiu em um quarto desde 1965, para apenas 15 por cento, segundo o CDC. Os adolescentes se veem isolados e optam por outras coisas, enquanto o consumo de cigarros entre os alunos do último ano do Ensino Médio caiu para 5,5 por cento em 2015.

As crianças olham para fumantes e dizem "você está louco. O que você está fazendo?", disse Cleare, que trabalha com adolescentes no departamento de saúde da cidade de Nova York.

O incentivo àqueles que ainda querem fumar a adotar os aparelhos de vapor, que parecem um gravador digital, é um inconveniente planejado.

"Esta é apenas mais uma maneira de torná-lo menos agradável", disse Douglas Kamerow, pesquisador sênior do Robert Graham Center for Primary Care Policy Studies em Washington.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos