Bolsas

Câmbio

Israel quer se reunir com potências que discutem guerra da Síria

David Wainer

(Bloomberg) -- As potências mundiais estão tentando colocar um fim na guerra de seis anos da Síria e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, quer um lugar na mesa de negociações.

Israel afirma que o Irã e seu representante libanês, o Hezbollah, estão trabalhando para se consolidar militarmente na vizinha Síria, onde apoiam as tropas do governo, e está preocupado porque um recente acordo de trégua negociado pela Rússia e os EUA não impede isso. O temor de Israel de que Teerã esteja montando plataformas de ataque na Síria para futuros ataques contra o Estado judeu dominou a reunião de Netanyahu com o presidente russo, Vladimir Putin, nesta quarta-feira na Rússia.

O fortalecimento da posição do Irã na Síria representa uma ameaça para Israel, o Oriente Médio e o mundo inteiro, disse Netanyahu após a reunião de três horas, e disse que deixou muito claro para Putin que Israel considera isso inaceitável.

Alianças complicadas na guerra da Síria dificultam a missão de Netanyahu. Israel poderia reforçar os ataques pontuais contra o Irã e o Hezbollah que já realizou durante a guerra se não estiver convencido de que Putin e o presidente dos EUA, Donald Trump, estão levando em conta suas preocupações com a segurança. Moshe Ya'alon, que foi ministro da Defesa de Israel durante uma parte da guerra, disse que Israel poderia se ver obrigado a intervir militarmente se o Irã não for expulso.

"Esperávamos que um acordo entre Trump e Putin considerasse a ameaça iraniana na nossa fronteira", disse Ya'alon em entrevista de Tel-Aviv. "Está claro que, se não houver uma solução, talvez nós tenhamos que agir por conta própria."

Negociações

Netanyahu viajou para a Rússia com Yossi Cohen, o chefe do Mossad, a agência de espionagem, e o diretor de segurança interna, Meir Ben-Shabbat, depois que uma delegação voltou de Washington neste mês sem anúncios de progresso sobre as exigências de Israel. Mas a Rússia, cuja intervenção militar deu uma viravolta na guerra a favor do presidente sírio, Bashar al-Assad, talvez não apoie a exigência de uma retirada iraniana total: o Irã é um dos copatrocinadores das iniciativas de paz de Moscou na Síria e é improvável que a Rússia o enfrente.

A Rússia provavelmente terá que encontrar alguma solução de compromisso, disseram os analistas.

"A opinião dominante é que o Irã continua sendo parceiro da Síria e que este não é o momento de provocar tensões", disse Alexander Shumilin, diretor do Centro de Análise de Conflitos do Oriente Médio do Instituto dos Estados Unidos e do Canadá, um órgão estatal, em Moscou. O que pode fazer é "permitir que o Irã fortaleça suas posições no oeste da Síria", mais longe de Israel, disse ele.

--Com a colaboração de Stepan Kravchenko Michael S. Arnold Samuel Dodge e Jonathan Ferziger

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos