Bolsas

Câmbio

Siderúrgicas brasileiras pedem ajuda a Temer com EUA e China

R.T. Watson e Simone Iglesias

(Bloomberg) -- O setor siderúrgico do Brasil levou seu pedido ao mais alto escalão do governo federal na noite de terça-feira ao solicitar diretamente ao presidente Michel Temer a aprovação de medidas que ampliariam a competitividade de suas exportações.

O Instituto Aço Brasil, principal associação do setor, tem convicção de que a melhor maneira de sobreviver à lentidão da demanda doméstica é ampliar as exportações a países como os EUA, disse Alexandre de Campos Lyra, presidente do conselho diretor do instituto, em evento do setor, em Brasília. Muitas siderúrgicas brasileiras reduziram sua capacidade porque a demanda diminuiu em quase dois terços nos últimos anos, em meio a uma enorme desaceleração econômica.

O instituto gostaria que o governo elevasse a alíquota de um programa de reintegração de impostos às exportações, conhecido como Reintegra, de 2 por cento para 5 por cento. Lyra afirmou que a mudança na reintegração criaria mais de 400.000 empregos. Temer pareceu aberto às propostas do setor ao discursar no evento, mas sinalizou que o aumento do desconto é difícil, considerando o déficit econômico já enfrentado pelo governo.

"A ideia original era eliminar os 2 por cento", disse Temer sobre as discussões com seu gabinete, que acabaram resultando na manutenção da alíquota de crédito fiscal. No entanto, ele acrescentou que sua equipe econômica atualmente discute a viabilidade de uma modificação. No início do mês, a equipe econômica de Temer recomendou o fim do crédito fiscal, disseram duas pessoas com conhecimento direto do assunto sob a condição de anonimato.

Temer disse que planeja conversar com a China, a maior produtora de aço do mundo, em visita de Estado no fim do mês, para equilibrar os preços e a oferta do mercado com o objetivo de melhorar a competitividade das siderúrgicas brasileiras no exterior. O Brasil ficou classificado como nono maior produtor de aço do mundo em 2016, segundo a Associação Mundial do Aço.

Diálogo

Lyra gostaria que o diálogo internacional desse um passo além. As perspectivas de aumentar as exportações de aço do Brasil poderiam melhorar por meio de negociação com o governo do presidente Donald Trump para reduzir os esforços protecionistas empreendidos para proteger a indústria dos EUA.

"Duas semanas atrás, discutimos a possibilidade de levar uma delegação brasileira a Washington para explicar ao governo americano que o Brasil não representa nenhum risco à segurança nacional", disse Lyra, sobre as conversas com alguns ministros de Temer.

Convencer Trump a cancelar as medidas protecionistas, tão celebradas pelas siderúrgicas dos EUA, será difícil. O presidente norte-americano já tomou várias medidas para proteger as produtoras locais das importações baratas, incluindo a abertura de uma investigação da Seção 232 para definir se a preservação das produtoras locais de metais constitui uma questão de segurança nacional.

(Atualizações com comentários de analistas do nono parágrafo.)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos