Bolsas

Câmbio

Fome de energias verdes por cobre ajuda a justificar novas minas

David Stringer e Rishaad Salamat

(Bloomberg) -- O cobre está entrando em uma era de crescimento da demanda impulsionado pela tecnologia, segundo a OZ Minerals, que começará a trabalhar no mês que vem no desenvolvimento de uma mina de 916 milhões de dólares australianos (US$ 724 milhões) na Austrália.

A produtora de Adelaide, que anunciou nesta quinta-feira a aprovação do conselho para a mina subterrânea de Carrapateena, na Austrália Meridional, prevê que a energia renovável, incluindo baterias e projetos de energia solar, vai superar os equipamentos de capital e a construção como principais motores da demanda global.

"Eu gosto do fato de a demanda estar mudando", disse o CEO Andrew Cole, nesta quinta-feira, em entrevista à Bloomberg Television. "Ela está sendo impulsionada agora tanto pela tecnologia quanto pela infraestrutura básica e a barreira para a entrada em novas minas de cobre é muito alta -- é difícil encontrá-las."

Os mercados do cobre deverão se beneficiar com a expansão da demanda da energia renovável e dos veículos elétricos a partir de meados de 2020, segundo a BHP Billiton, que controla a maior mina do mundo. O mercado de veículos elétricos, por si só, poderá exigir cerca de 8,5 milhões de toneladas de cobre até 2035, informou a empresa em outubro.

A mina de Carrapateena, a cerca de 160 quilômetros ao norte de Port Augusta, começará a ser testada no último trimestre de 2019 e tem potencial significativo de expansão, informou a OZ Minerals. A mina terá produção anual média de cerca de 65.000 toneladas de cobre e de 67.000 onças de ouro ao longo de cerca de duas décadas.

O cobre enfrentará um déficit persistente do fim de 2018 até o início de 2019 devido à falta de novos projetos e ao esgotamento das minas existentes, segundo o Jefferies, e a mineradora Antofagasta afirmou neste mês que a perspectiva para o metal está sendo impulsionada pela demanda crescente, inclusive para veículos elétricos. Os preços caminham para um segundo ganho anual e nesta semana atingiram o maior nível em Londres desde o fim de 2014.

"A era tecnológica na qual estamos entrando, o aumento das baterias, o armazenamento de energia, os veículos elétricos, a produção de energia verde por meio de fontes solares e eólicas -- todos esses fatores impulsionarão o preço do cobre", disse Cole na entrevista.

A OZ Minerals, que projeta a produção de 115.000 toneladas de cobre na mina de Prominent Hill em 2017, planeja financiar o desenvolvimento de Carrapateena com dinheiro, disse Cole a analistas mais cedo, em teleconferência. A empresa anunciou anteriormente que o lucro subjacente subiu para 80,6 milhões de dólares australianos no período de seis meses até 30 de junho, contra 55 milhões de dólares australianos um ano antes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos