Bolsas

Câmbio

Independência formal do BC é sonho distante para Ilan, dizem fontes

Mario Sergio Lima e Matthew Malinowski

(Bloomberg) -- O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, vem obtendo sucessivos avanços no combate à inflação e na agenda no Congresso, mas uma meta ainda parece distante: autonomia formal da autoridade monetária.

Há pouco mais de um ano no comando do BC, Ilan já conseguiu trazer a inflação para o menor nível em 18 anos, derrubar pela metade os juros do cartão de crédito, passar no Congresso um projeto que altera as taxas dos empréstimos do BNDES.

Seus esforços ganharam o respeito do mercado financeiro e a nova estratégia de comunicação tem auxiliado a recuperação da credibilidade do BC.

A despeito do sucesso e do caráter reformista do presidente Michel Temer, a autonomia formal, uma das medidas da agenda BC+, ainda não está nos planos imediatos do governo, segundo três pessoas com conhecimento das discussões, e poderia ter dificuldade para garantir apoio no Congresso, segundo seis parlamentares.

De acordo com as pessoas, que pediram anonimato porque as discussões não são públicas, o governo está empenhado em diversas outras frentes no Congresso, como as reformas da Previdência e tributária, além de pautas de ajuste fiscal.

A autonomia formal blindaria o BC de pressões políticas e o colocaria no mesmo patamar de independência de nações desenvolvidas e até de outros países latinos, como o México e Chile, porém encontra resistências políticas.

Na última campanha eleitoral, a presidente deposta Dilma Rousseff atacou a ideia, associando a autonomia a um aumento de poder do sistema financeiro, e há oposição ao projeto à esquerda e à direita, segundo Newton Rosa, economista-chefe da Sul America Investimentos.

Para João Augusto Castro Neves, diretor para Brasil do Eurasia Group, ainda haveria espaço para esse projeto no ano que vem, e a resistência de setores do Congresso hoje é menor do que já houve.

"Essa questão da autonomia se insere dentro do espírito reformista do presidente Temer; penso que tem voto, sim, para passar", disse o vice-presidente da Câmara dos Deputados, Fábio Ramalho (PMDB-MG).

Segundo documento interno do BC obtido pela Bloomberg, o BC acredita que um projeto de autonomia poderia ser aprovado até o final do ano que vem no Congresso.

"Essa discussão de independência formal do BC está pelo menos uns 10 a 15 anos atrasada, seria um avanço institucional importante", disse Alberto Ramos, economista sênior do Goldman Sachs para América Latina.

"Não é um problema porque hoje não há a interferência política, mas pode ser no futuro", disse Ramos.

O Banco Central não quis comentar.

--Com a colaboração de Samy Adghirni Simone Iglesias Philip Sanders Eric Martin e David Biller

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos