Bolsas

Câmbio

Política britânica se tornou mais radical depois do Brexit

Thomas Penny e Robert Hutton

(Bloomberg) -- Durante uma geração, os aspirantes ao cargo de primeiro-ministro britânico de ambos os partidos tentaram chegar ao poder encontrando um meio-termo. Funcionou para Tony Blair, David Cameron e até para Margaret Thatcher. Até chegar o Brexit.

O manual de regras políticas foi destruído depois do referendo do ano passado, que decidiu a saída da União Europeia, e as sucessivas conferências partidárias refletem uma corrida aos extremos ideológicos. Sob o comando de Jeremy Corbyn, o Partido Trabalhista tem crescido em popularidade, oferecendo o socialismo linha-dura.

Na reunião do Partido Conservador na cidade de Manchester, o desencanto com a liderança do partido é palpável, com os membros que participam de reuniões paralelas exaltando as virtudes do capitalismo de livre mercado sem restrições e um Brexit duro. A principal estrela é Jacob Rees-Mogg, um tradicionalista que sabe latim e se opõe ao casamento gay e ao aborto.

"Ele é muito antiquado, mas pelo menos não é um democrata liberal de gravata azul", disse Ross Atkinson, 24, chef em um pub que fez fila a tarde toda para ver seu herói. Levantando a camisa para mostrar sua tatuagem "Moggmentum", ele acrescentou que "Teresa May simplesmente não parece ter orgulho Tory".

O clima na conferência Tory está desanimado depois dos anos em que se prepararam para o governo ou usufruíram dos frutos do poder. Embora no ano passado a atmosfera fosse de euforia após a votação para sair da UE, neste ano ela é mais reflexiva, dominada pelas excentricidades de Boris Johnson e pelas recriminações depois do desastroso desempenho eleitoral de May.

"A sensação é que ambos os partidos estão defendendo uma agenda mais radical", disse Jane Green, professora de política da Universidade de Manchester. "Se você for um eleitor que considera o Brexit como uma proposta radical e arriscada, e que vê Corbyn como uma proposta radical e arriscada, é difícil ver qual seria a opção para a estabilidade."

Palavra suja

"Declarar-se de centro não é uma postura muito popular agora", disse Ruth Davidson, que, apesar de ser moderada, é uma das favoritas na conferência. Em um evento paralelo lotado, ela disse aos representantes que preservar o meio-termo havia provocado a recuperação Tory na Escócia.

May anunciou o congelamento das taxas de universidades e ofereceu aumentos de salário a alguns funcionários do setor público na tentativa de reconquistar os eleitores do partido de Corbyn, contrário à austeridade, mas os ativistas Tory estão se entusiasmando com o compromisso de Rees-Mogg com os cortes de gastos e a austeridade.

Enquanto uma multidão de centenas de pessoas celebrava o plano "Sem acordo" de Rees-Mogg para o Brexit no salão ornamentado da Câmara Municipal de Manchester, um grupo menor ouvia um político alemão do partido de Angela Merkel explicar como a UE vê o divórcio.

"Não existe a possibilidade de um acordo em que ambos os lados saiam ganhando, é mais apropriado falar de um resultado em que ambos sairão perdendo", disse Detlef Seif a seu público de ativistas conservadores, que escutava em um silêncio fúnebre.

--Com a colaboração de Kitty Donaldson

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos