Bolsas

Câmbio

Hollywood está sendo enganado por cinemas chineses: Fontes

Anousha Sakoui

(Bloomberg) -- Os cinemas chineses declararam vendas de ingressos de filmes dos EUA 9 por cento inferiores ao número real no ano passado, segundo auditoria que apontou que as operadoras do segundo maior mercado cinematográfico do mundo estão ludibriando os estúdios de Hollywood, disseram duas pessoas com conhecimento do assunto.

A Motion Picture Association of America (MPAA), que representa os grandes estúdios de cinema dos EUA, como a Walt Disney e a Universal Pictures, pertencente à Comcast, contratou a PricewaterhouseCoopers para realizar uma auditoria como parte de um acordo dos EUA com a China para estabelecer as condições para importação de filmes de Hollywood. As pessoas pediram para não serem identificadas porque as descobertas não são públicas.

A China vem reprimindo fraudes nas bilheterias e aprovando multas para evitar declarações incorretas na crescente indústria de cinema do país. As autoridades permitiram que Hollywood realizasse sua própria auditoria em um momento em que os dois países se preparam para renegociar um acordo de 2012 que oferecia aos estúdios de cinema dos EUA melhores oportunidades de acesso e remuneração.

A auditoria foi revelada pela Bloomberg em junho e seria concluída no terceiro trimestre. Os resultados foram publicados primeiro pelo Wall Street Journal. Um telefonema feito nesta quarta-feira à China Film Group, gigante estatal responsável pela importação e pela distribuição de filmes de Hollywood, não foi atendido devido ao feriado nacional de uma semana no país.

A receita com ingressos cresceu menos de 3,7 por cento na China no ano passado, contra um crescimento médio de mais de 35 por cento nos cinco anos anteriores, segundo a firma de pesquisa Artisan Gateway. Ainda assim, a venda de ingressos de cinema no país está crescendo mais rapidamente do que na América do Norte, segundo dados da MPAA, e a China continua sendo um mercado importante para Hollywood, com US$ 6,6 bilhões em vendas anuais.

O número de filmes importados dos EUA foi limitado a uma cota de 34 por ano, e os estúdios responsáveis por esses lançamentos recebem apenas um quarto da receita da bilheteria, e não a metade, como é comum na maioria dos outros países.

Mais de 300 cinemas foram penalizados em março por declarar um total de vendas de ingressos inferior ao real, informou a Administração Estatal de Imprensa, Publicação, Rádio, Filme e Televisão da China, órgão regulador do setor, na época. As maiores penalidades aplicadas foram a suspensão de operações durante 90 dias para os cinemas que subdeclararam as receitas em mais de 1 milhão de yuans (US$ 150.000). A licença de cinemas e distribuidoras é revogada em casos "muito graves", segundo a lei, que entrou em vigor em março.

--Com a colaboração de Sterling Wong

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos