PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

A US$1.000, Google e Amazon não entram no Dow Jones

Lu Wang

31/10/2017 12h23

(Bloomberg) -- Fazer parte do índice Dow Jones é mais importante para uma grande empresa americana do que mostrar ao mundo que não precisa seguir convenções como desmembrar ações?

Essa pergunta está mais frequente. De seu lado, o índice secular tenta se manter relevante na economia dominada pela tecnologia. No centro desse debate estão Google e Amazon. Essas ações passaram de US$ 1.000 após a divulgação de sólidos resultados trimestrais. Ninguém duvida que as duas gigantes da internet estariam no topo de qualquer lista de blue chips, mas seus preços elevados quebrariam a espinha dorsal do Dow, que é ponderado pelo preço e não pelo valor de mercado das empresas.

Se entrassem agora e substituíssem as menores componentes, as duas representariam 40 por cento do índice.

Parte do problema do Dow, pelo menos no Vale do Silício, é que o desmembramento de ações preservando o valor do investimento (operação também conhecida como split) parece démodé, uma relíquia do século 20. Seja por pressão de seus pares ou pela atuação dos fundos de índices, somente 10 componentes do S&P 500 fizeram split em cada ano desde 2009. Na década de 1990, eram cerca de 70.

É a divergência entre o velho e o novo no mercado acionário, que coloca um emblema antigo de status (a participação no Dow) contra um emblema contemporâneo (o preço da ação em quatro dígitos).

Três anos atrás, os responsáveis pelo Dow venceram uma grande batalha quando a Apple desmembrou uma ação em sete e deixou o preço do papel alinhado ao de outras componentes. Desde então, aumentou o preconceito contra splits. Foram apenas cinco entre membros do S&P 500 desde janeiro, o menor número em 25 anos.

A falta de splits costuma ser atribuída à maior presença de investidores profissionais. Se os fundos de índice não se importam com o preço de uma ação, por que uma empresa se importaria? Outro fator é visual. Uma ação de US$ 1.000 se tornou demonstração de sucesso depois que empresas como Berkshire Hathaway e Priceline se recusaram a desmembrar seus papéis.

Há alguns benefícios quando as ações são negociadas por três ou quatro dígitos. Segundo estudo publicado pela Wolfe Research em agosto, ações de preço elevado têm menos volatilidade, menos posições a descoberto e custos de transação menores.

No entanto, a relutância em relação aos splits impede o Dow de absorver algumas das empresas mais populares entre os investidores, o que já foi mencionado pelos responsáveis pelo índice.

Firmas como Google "são empresas enormes, muito grandes e muito conhecidas, não há dúvida de que são muito importantes para os EUA e para a economia global", disse David Blitzer, diretor-gerente e presidente do comitê de Índices S&P Dow Jones, em 2013. "Os preços de suas ações são tão altos que colocar o Google distorceria totalmente o índice e não funcionaria."

Blitzer não quis comentar se a recusa em desmembrar as ações está prejudicando o Dow. "Desmembrar ou não a ação é uma decisão da empresa, não nossa", ele afirmou. "Pelo que eu sei, nunca sugerimos a ninguém desmembrar ou não desmembrar suas ações."

Entre as cinco maiores empresas dos EUA por valor de mercado, três estão fora do Dow e todas atuam na internet, setor que não tem representação direta a não ser por meio da Cisco Systems.

Além de Google e Amazon, Facebook também está fora.

As ações do Facebook são negociadas na faixa de US$180, enquanto a média para as atuais componentes do Dow é US$100.

Representes de Facebook, Google e Amazon se recusaram a fazer comentários para esta reportagem.

--Com a colaboração de Mark Bergen e Spencer Soper