PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Produtora de óleo de palma aposta na mecanização contra riscos

Anuradha Raghu

31/10/2017 08h13

(Bloomberg) -- Uma das empresas de plantações de palma para fabricação de óleo de palma da Malásia com melhor rendimento neste ano quer usar drones, clones e até mesmo outros cultivos para superar os desafios decorrentes da escassez de mão de obra e da volatilidade dos preços.

"Começamos a mitigar esse risco dois anos atrás -- apostamos na mecanização total", disse Peter Benjamin, CEO da United Malacca. "Isso nos ajudou a amortecer todos os problemas de mão de obra. Também nos ajudou muito no que se refere à recuperação do cultivo."

As empresas de óleo de palma da Malásia, o segundo maior produtor mundial, vêm enfrentando uma recuperação fraca da produção após os efeitos do El Niño de 2015-2016 e a escassez de trabalhadores qualificados para as plantações em todo o setor. Os futuros avançaram 15 por cento neste semestre devido a uma oferta inferior à esperada. A produção na maior parte da Malásia provavelmente atingiu um pico em julho e o crescimento da produção também está desacelerando na Indonésia, segundo Dorab Mistry, diretor da Godrej International.

As ações da United Malacca subiram 11 por cento neste ano, em comparação com o ganho de 3,4 por cento no Bursa Malaysia Plantation Index. As ações têm o sétimo melhor rendimento no índice de 40 empresas.

Mecanização

A falta de trabalhadores para as plantações significa que a fruta não é colhida a tempo, o que reduz a taxa de extração e a qualidade do azeite. A United Malacca emprega colhedoras mecânicas para colher os frutos, tarefa muito trabalhosa em condições quentes e úmidas. Ela também mecanizou a aplicação de fertilizantes e pesticidas e está usando drones para a vigilância aérea.

A empresa também está aumentando a produção com clones e variedades híbridas que dão mais azeite, disse Benjamin. Ele plantou cerca de 1.000 hectares na Indonésia com clones e plantará mais 6.000 hectares com clones e híbridos nos próximos três anos. No começo o programa é caro, mas "o aumento do rendimento e da taxa de extração de azeite compensam qualquer custo inicial. A recompensa chega mais rápido", disse Benjamin.

A produtora planeja aumentar os rendimentos de uma média de 17 toneladas do fruto fresco por hectare neste ano para 19 toneladas em 2018 e 24 toneladas em 2025. A projeção é de que o custo de produção será de cerca de 1.500 ringgits (US$ 350) a 1.600 ringgit por tonelada até o fim de abril.

A United Malacca também prevê que suas árvores jovens aumentarão os lucros em 2019, segundo Benjamin. Normalmente, a palma começa a dar fruto com três anos; os rendimentos atingem o pico quando as árvores têm entre 10 e 18 anos e a partir daí começam a cair, disse ele. A maioria das árvores da United Malacca tem cerca de nove ou dez anos, disse.

PUBLICIDADE