Bolsas

Câmbio

Rupert Murdoch tem vários pretendentes para selar destino da Fox

Anousha Sakoui e Christopher Palmeri

(Bloomberg) -- Depois de dedicar sua vida à construção de um império da mídia, Rupert Murdoch precisa decidir se as mudanças que revolucionam o setor são tão desanimadoras a ponto de levá-lo a desmembrar sua criação.

A 21st Century Fox, de Murdoch, possui um estúdio de cinema e televisão, uma rede de transmissão nos EUA, uma participação na maior provedora de satélite da Europa e canais a cabo como FX e Star India -- e, mesmo assim, é uma anã ao lado da Walt Disney e da Comcast. Os espectadores estão abandonando em massa a TV paga tradicional, o que pressiona as grandes empresas de mídia a se tornarem ainda maiores para sobreviver.

É por isso que Murdoch, de 86 anos, está estudando a possibilidade de vender alguns de seus recursos depois de décadas acumulando propriedades de TV e cinema. Disney, Comcast e Verizon Communications manifestaram interesse no estúdio da Fox, na participação na empresa de satélite Sky e nas redes a cabo, de acordo com pessoas com conhecimento do assunto. A Fox ficaria com propriedades como a Fox News, a rede de transmissão da Fox e talvez os canais esportivos, dependendo do acordo, disseram as pessoas. Esses ativos são alguns dos mais lucrativos da Fox, e a Fox News, a rede de notícias de TV a cabo mais assistida, é especialmente querida por Murdoch.

"A Fox tem que decidir: vai estar aqui a longo prazo ou não?", disse Brian Wieser, analista da Pivotal Research.

Steven Cahall, analista da RBC Capital Markets, avaliou os ativos que a Disney buscava em mais de US$ 20 bilhões. A empresa restante valeria cerca de US$ 46 bilhões, supondo que ela conservará toda a dívida, disse ele.

A Fox poderia acabar dispensando seus muitos pretendentes, disse Wieser. Desde que surgiu a notícia do interesse da Disney nos ativos, na semana passada, os executivos da Fox permaneceram inflexíveis e afirmaram que a empresa tem o que precisa para atravessar a turbulência do setor de mídia. "Temos um ótimo conjunto de marcas e um ótimo conjunto de ativos, dos quais realmente gostamos", disse o CEO James Murdoch, filho de Rupert, em uma teleconferência no dia 8 de novembro.

Murdoch ainda não decidiu se de fato venderá alguma coisa. De qualquer modo, as negociações ajudam a estabelecer uma avaliação para as marcas da Fox e poderiam mudar a percepção do mercado sobre sua disposição para se separar de partes importantes da empresa, disse uma pessoa a par da situação. As ações da Fox subiram 17 por cento desde que surgiram notícias sobre a negociação com a Disney.

No entanto, empresas mais poderosas do que a Fox têm tido dificuldades. As maiores provedoras a cabo e de satélite perderam mais de 400.000 assinantes no último trimestre, mesmo incluindo ganhos em seus pacotes exclusivamente on-line, de acordo com a Leichtman Research Group. A Disney, lar do ESPN e do Disney Channel, está investindo agressivamente em serviços de streaming de vídeo nos próximos dois anos para competir com a Netflix.

Nas bilheterias, por sua vez, as vendas caíram 4,9 por cento neste ano na América do Norte, suscitando nos estúdios cinematográficos o receio de que talvez o público esteja ficando cansado dos filmes de grande orçamento.

--Com a colaboração de Gerry Smith Dinesh Nair Scott Moritz Ed Hammond e Aaron Kirchfeld

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos