Bolsas

Câmbio

BCE revisa programa de compra de títulos corporativos, dizem fontes

Jana Randow e Carolynn Look

(Bloomberg) -- O Banco Central Europeu está avaliando um elemento crucial de seu plano de estímulos que provavelmente ganhará importância no ano que vem.

O BCE está revisando o programa de compra de títulos corporativos, de acordo com autoridades a par do assunto. O estudo do Comitê de Operações de Mercado está focado na eficácia da estratégia ? que já consumiu 126 bilhões de euros (US$ 148 bilhões) ? e em sua influência sobre a oferta de crédito na economia da zona do euro.

As autoridades, que pediram anonimato porque o tema é confidencial, também discutem se os benefícios são maiores para grandes empresas e seus acionistas. Em comunicado enviado por email, o BCE afirmou que está "monitorando constantemente o impacto de seus programas de compra de ativos".

O BCE se prepara para decidir como vai implementar a redução dos estímulos quantitativos a partir de janeiro. Nos termos atuais, o programa vai ultrapassar 2,5 trilhões de euros em setembro e, como alguns países já enfrentam escassez dos títulos soberanos que representam a maior parcela das compras, a parcela alocada a títulos corporativos pode aumentar. O presidente da instituição, Mario Draghi, afirmou no mês passado que o volume de compras de instrumentos emitidos pelo setor privado continuará substancial.

O programa de instrumentos corporativos foi adicionado mais adiante no arcabouço de estímulos quantitativos. Seu começo foi em junho de 2016, quando o banco central intensificou os esforços para incentivar a inflação. A compra de dívidas emitidas por governos e agências governamentais começou em março de 2015. A compra de títulos cobertos e garantidos por ativos começou mais modestamente, em 2014.

O BCE atualmente compra 60 bilhões de euros por mês em dívidas, dos quais 50 bilhões de euros vão para papéis do setor público e 7 bilhões de euros para instrumentos corporativos. Títulos cobertos e garantidos respondem pelo restante.

As compras mensais vão diminuir para 30 bilhões de euros em janeiro, de modo que a parcela dos títulos corporativos pode aumentar. Falando a parlamentares europeus na segunda-feira, Draghi lembrou que isso já aconteceu antes, em abril, quando o BCE reduziu o volume mensal de compra de títulos, que chegava a 80 bilhões de euros.

Alguns representantes oficiais se perguntam se as grandes empresas ? que têm maior acesso aos mercados de títulos ? estão usando dinheiro barato para financiar operações de recompra de ações em vez de ampliar os investimentos.

Os investimentos em capital por companhias europeias devem ficar inalterados neste ano e crescer pela primeira vez em cinco anos em 2018, mas ainda moderadamente, segundo projeção de analistas do UBS Group.

Do outro lado, alguns governantes acham que o programa oferece suporte indireto a pequenas e médias empresas que não acessam os mercados de capitais, conforme argumentou o BCE em junho em seu Boletim Econômico.

"Condições favoráveis no mercado de títulos resultaram em efeitos secundários positivos que sustentaram os empréstimos bancários", afirmou a instit,uição na ocasião. "Quando grandes corporações se financiam mais e mais por meio da emissão de títulos em vez de empréstimos bancários, isso libera capacidade no balanço patrimonial dos bancos para empréstimos potenciais a pequenas e médias empresas."

--Com a colaboração de Sofia Horta e Costa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos