Bolsas

Câmbio

Novo chefe do BIS, Agustín Carstens planeja foco no bitcoin

Eric Martin e Carlos Manuel Rodriguez

(Bloomberg) -- Agustín Carstens, que assume nesta sexta-feira a liderança do Banco de Compensações Internacionais, transformará as moedas digitais e a tecnologia financeira em duas de suas maiores prioridades.

O executivo de 59 anos, que anteriormente trabalhou como presidente do banco central do México e também como ministro da Economia desse país, classificou a alta dos bitcoins como um acontecimento que "deveria pelo menos gerar cautela", considerando que não tem apoio de um Estado e não é uma moeda legal. O bitcoin superou a casa dos US$ 11.000 nesta semana e depois voltou a cair para menos de US$ 10.000.

O BIS dedicará muitos recursos "aos ativos virtuais, que normalmente são chamados de criptomoedas, mas não acreditamos que sejam moedas", disse Carstens, em entrevista, nesta semana, na Cidade do México.

Ele também concentrará a instituição com sede na Basileia -- muitas vezes chamada de banco central dos bancos centrais -- em tornar os sistemas de pagamentos e as aplicações da tecnologia financeira mais resistentes a ciberataques, área pela qual o BIS "já está fazendo algumas incursões", disse.

Carstens se une a um coro de personalidades famosas que estão emitindo alertas sobre o bitcoin depois que seu valor se multiplicou por mais de 10 neste ano. O CEO do Credit Suisse, Tidjane Thiam, disse que o bitcoin é a "própria definição de bolha", enquanto o presidente do Société Générale, Lorenzo Bini Smaghi, o classificou como "fraude". O economista vencedor do prêmio Nobel Joseph Stiglitz disse que o bitcoin "deveria ser proibido".

Carstens foi menos categórico que alguns críticos do bitcoin, reconhecendo que a tecnologia por trás dele pode ter aplicações práticas e generalizadas em algumas áreas do sistema financeiro.

"Temos que analisar coisas que podem parecer não muito claras e também tirar proveito de algumas das inovações que ativos virtuais como o bitcoin trouxeram", disse ele.

Carstens se tornará gerente-geral do BIS no lugar de Jaime Caruana, que ocupa o cargo desde abril de 2009. A organização, fundada em 1930, organiza reuniões regulares de banqueiros centrais, publica estatísticas e pesquisas sobre assuntos relacionados à economia global e também oferece serviços financeiros às instituições-membros.

--Com a colaboração de Catherine Bosley

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos