ABB vê espaço para crescimento na revolução robótica chinesa

Alice Baghdjian

(Bloomberg) -- A ABB, segunda maior fabricante de robôs do mundo, prevê crescimento na China mesmo com o surgimento de preocupações de que os planos do país para investir em automação possam gerar excesso de oferta.

"Ainda não alcançamos o pico da capacidade na robótica industrial -- estamos longe disso", disse o presidente da ABB para Ásia, Oriente Médio e África, Chunyuan Gu, em entrevista.

A empresa de engenharia suíça vê a aceleração da expansão na China como uma forma de dobrar a capacidade de produção de robôs e superar a Fanuc como maior fornecedora mundial. A ABB está à frente da Kuka, que tem apoio da China, e da japonesa Fanuc no mercado chinês, segundo apresentação da ABB, e a empresa anunciou em setembro que planeja dobrar o número de pesquisadores em robótica no país para consolidar sua posição.

Um possível desafio futuro é o plano de Pequim de se concentrar na automação de setores como a fabricação de automóveis e eletrônicos. O amplo financiamento disponibilizado pelo governo e o rápido crescimento do setor de robótica geraram preocupação devido à possível formação de uma bolha.

De acordo com um relatório publicado em março pela Câmara de Comércio da União Europeia na China, os subsídios do governo estão contribuindo para o excesso de capacidade nos níveis inferior e intermediário do mercado de robótica industrial. Os órgãos reguladores chineses estão atentos à ameaça de excesso de capacidade, informou em março a agência oficial de notícias da China, a Xinhua, citando declarações do vice-ministro de Indústria e Tecnologia da Informação da China, Xin Guobin.

Em termos de densidade robótica, no entanto, a China está muito abaixo dos países mais desenvolvidos, disse Gu. A Alemanha ostentava 301 unidades para cada 10.000 funcionários no setor industrial em 2015, enquanto a China contava com apenas 49 unidades, segundo dados da Federação Internacional de Robótica.

A falta de trabalhadores qualificados familiarizados com os controles e a mecânica da robótica na China também impede o rápido crescimento dos robôs industriais, disse Gu.

"A disponibilidade de técnicos com múltiplas qualificações é um gargalo do setor", disse o executivo. "O desenvolvimento dos talentos certos levará algum tempo."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos