Nintendo libera jogos para console rival pela primeira vez

Yuji Nakamura e Yuki Furukawa

(Bloomberg) -- Pela primeira vez na história, os jogos da Nintendo poderão ser usados em hardware de jogos que não foram fabricados pela empresa japonesa.

Em uma nova iniciativa limitada à China, a Nintendo começou a distribuir os títulos clássicos do Wii e do Gamecube através do tablet de jogos Shield, da Nvidia, disse a fabricante de jogos com sede em Quioto em comunicado. O dispositivo saiu à venda no dia 5 de dezembro na China continental com três jogos clássicos da Nintendo -- "The Legend of Zelda: Twilight Princess", "New Super Mario Bros. Wii" e "Punch-Out!!"-- que foram lançados globalmente há cerca de uma década.

Esta é uma mudança significativa para a Nintendo, que desde o início dos anos 1980 manteve seus jogos exclusivamente para seus próprios consoles de mesa e portáteis. A fabricante do Wii, do DS e do Switch só começou a lançar títulos móveis para smartphones de terceiros, relutantemente, no ano passado. Como a China ultrapassou os EUA como o maior mercado de jogos do mundo, a pressão para que a Nintendo levasse seus títulos ao continente vinha aumentando.

"Estamos muito contentes por ter essa oportunidade de permitir que nossos produtos de entretenimento levem alegria a um grande conjunto de jogadores chineses", afirmou a Nintendo no comunicado, emitido em chinês. Mais títulos clássicos serão lançados em 2018 e receberão atualizações visuais, segundo a empresa. "Graças à excelente equipe da Nvidia, esses jogos terão portas de alta resolução."

Um porta-voz da Nintendo disse que o acordo se limita à China e ao Nvidia Shield e não indica uma mudança estratégica mais abrangente. Ele afirmou que os esforços para levar o novo console híbrido Nintendo Switch à China continuam, independentemente da parceria com a Nvidia.

Até agora, a maioria dos jogos da Nintendo não estava legalmente disponível na China, limitando a popularidade de Super Mario e Donkey Kong, nomes famosos nos EUA, na Europa e no Japão. Na China continental os títulos dominantes de jogos de computador e aparelhos móveis são "Battlegrounds", da Playerunknown, e "Honour of Kings". O mercado de jogos da China gerou US$ 24,6 bilhões em receita no ano passado e o dos EUA gerou US$ 24,1 bilhões.

Ainda existem obstáculos para que os criadores de jogos estrangeiros liberem títulos na China, como a censura estatal e a necessidade de estabelecer joint ventures com parceiros locais. A Microsoft e a Sony tiveram um sucesso limitado desde que lançaram seus consoles no continente em 2014, em parte devido à queda da popularidade dos jogos de console e à ausência de títulos de sucesso, como "Grand Theft Auto V", que são proibidos por seu conteúdo violento e sexual.

A oferta mais familiar da Nintendo poderia ter mais sorte com os censores chineses. Em setembro, a empresa anunciou planos para liberar "Honour of Kings", da Tencent Holdings, para o Nintendo Switch. Isso suscitou especulações de que a gigante chinesa da internet e dos jogos ajudaria a Nintendo a explorar o mercado continental. O porta-voz da Nintendo preferiu não revelar quando o Nintendo Switch poderia sair à venda na China.

"Para a Nintendo, o objetivo principal é provavelmente ter sua propriedade intelectual mais conhecida na China", disse Hideki Yasuda, analista do Ace Research Institute. Mas, como o mercado chinês de consoles é limitado, "não haverá muito impacto nos ganhos da Nintendo".

--Com a colaboração de David Ramli e Gao Yuan

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos