Bolsas

Câmbio

Árvores de plástico derrotam pinheiros naturais no Natal dos EUA

Lydia Mulvany e Megan Durisin

(Bloomberg) -- Os jovens ganharam fama de adorar produtos de consumo regionais e artesanais. Então, por que eles estão comprando tantas árvores de Natal de plástico?

Esta pergunta está irritando Tim O'Connor, diretor executivo da Conselho de Promoção de Árvores de Natal em Littleton, Colorado. Para ajudar a conquistar mais compradores, os produtores estão se posicionando como análogos ao movimento de alimentos locais e orgânicos. As árvores naturais têm tudo o que atrai os jovens adultos, disse ele: autenticidade, benefícios para o meio ambiente e apoio às economias regionais.

Os produtores sabem que enfrentam uma tarefa difícil. Quase 95 milhões de casas dos EUA vão armar uma árvore de Natal neste fim de ano, mas projeta-se que apenas 19 por cento delas serão naturais, de acordo com uma pesquisa realizada pela Nielsen para a Associação Americana de Árvores de Natal, divulgada na quinta-feira. Embora algumas casas montem árvores dos dois tipos, a maioria armará árvores artificiais, em geral feitas de plástico e provenientes de fábricas situadas do outro lado do mundo.

Essa tendência já poderia estar começando a mudar, de acordo com George Richardson, coproprietário da Richardson Farms em Spring Grove, Illinois, que é um fazendeiro de quinta geração. Ele planta 10.000 mudas por ano em sua fazenda, onde os compradores podem escolher e cortar sua própria árvore.

"As árvores de Natal naturais eram extremamente populares nos anos 1940, 1950, 1960, 1970 e 1980, e aí as árvores artificiais chegaram", disse Richardson. "Por um tempo, as pessoas acharam que elas eram muito práticas e preferiram as artificiais. Agora estamos descobrindo que elas talvez não sejam tão puras e saudáveis como imaginávamos e que elas vão parar em um lixão."

Ninho vazio

Os melhores clientes para as árvores naturais são as famílias com filhos. Os adultos mais velhos da geração do baby boom estão ficando com o ninho vazio, enquanto os membros da geração Y ? um grupo de jovens atualmente com idade entre 18 e 35 anos ? estão apenas começando suas próprias famílias. Isso criou uma lacuna para as árvores naturais, que perderam compradores enquanto as árvores artificiais avançaram.

No entanto, o setor de árvores naturais afirma que há potencial para uma grande vitória na próxima década, à medida que as famílias jovens nascem. Apenas 20 por cento dos jovens da geração Y atualmente têm filhos pequenos, disse O'Connor, do Conselho de Promoção de Árvores de Natal, que é financiado por produtores. Por isso, a maior parte da maior geração ? e suas futuras tradições de Natal ? ainda está disponível.

O'Connor também espera canalizar o interesse dos consumidores mais jovens em produtos sustentáveis para aumentar as vendas. As árvores de Natal naturais são cultivadas como uma safra, não são cortadas de uma floresta, disse ele. Elas são plantadas em terras inadequadas para culturas de maior valor, transformam dióxido de carbono em oxigênio e suas raízes mantêm o solo no lugar. Quando são cortadas, outras são plantadas, e elas podem ser recicladas como adubo depois de usadas.

Ainda assim, as árvores artificiais têm um apelo para os consumidores que buscam reutilização e praticidade, disse Jami Warner, diretora executiva da Associação de Árvores de Natal, que tem sede em Sacramento epromove ambas as variedades. As árvores artificiais podem ser montadas em questão de minutos, sem bagunça nem precisar regar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos