ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Gerentes de hedge funds esperam aumento de 39% em bônus

Sonali Basak e Simone Foxman

19/12/2017 11h04

(Bloomberg) -- Os profissionais de hedge funds esperam aumento de 39 por cento nos bônus de fim do ano no término deste ano, segundo pesquisa com 500 investidores compradores. A visão pode ser otimista demais, segundo um sócio da empresa que fez a pesquisa.

Os entrevistados disseram, em média, que esperam que os bônus aumentem dos US$ 405.000 do ano passado para US$ 562.000, afirmou a empresa de recrutamento Odyssey Search Partners na segunda-feira, em comunicado. Chefes de setor, sócios e gerentes de portfólio esperam alta de 79 por cento, para US$ 1,38 milhão.

Os hedge funds subiram cerca de 6 por cento até o fim de novembro, contra um aumento de 2,8 por cento em todo o ano de 2016, segundo índices monitorados pela Hedge Fund Research. O S&P 500 Index avançou mais de 18 por cento neste ano até 30 de novembro. O hedge fund médio perdeu para o mercado de ações todos os anos desde 2009, levando os investidores institucionais a criticarem o setor por comissões que afirmam serem muito altas se considerado o desempenho.

"Como os ativos não aumentaram substancialmente e as comissões continuam sob pressão, pode ser otimista pensar que os bônus tenham aumentado tanto", disse Anthony Keizner, sócio da Odyssey, por e-mail.

Os profissionais de private equity esperam aumento de 14 por cento no bônus em 2017, segundo outra pesquisa da Odyssey com 500 funcionários. Os diretores esperam aumentos de 8 por cento, para US$ 355.000, e a taxa de desempenho deve ser avaliada em US$ 3,2 milhões. Esse é o valor que os funcionários provavelmente receberão quando os lucros forem compartilhados após a conclusão do período de investimento, que normalmente é de cinco anos, em média.

"Os profissionais de hedge fund recebem bônus todos os anos", disse Keizner, por telefone. "No lado do private equity, o dinheiro é mantido em um fundo de cinco anos e só quando esses negócios são encerrados as pessoas envolvidas recebem uma porcentagem dos acordos nos quais trabalharam."

Mais Economia