ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Quem odeia dirigir na neve poderá entregar o volante a robôs

Rachel Tepper Paley

21/12/2017 13h30

(Bloomberg) -- Os carros autônomos podem ser o futuro, mas certamente é preciso tempo para se acostumar a entregar o volante. Uma coisa é avançar (lentamente) com o trânsito das ruas bem sinalizadas das cidades, para as quais, a princípio, muitos dos carros autônomos foram desenvolvidos e testados. Mas o que acontece ao colocar gelo no coquetel, ou melhor, na estrada?

As mentes do Centro de Pesquisa Técnica da Finlândia, ou VTT, buscam, em conjunto, nos tranquilizar com Martti, que, segundo afirmam, é o primeiro carro totalmente autônomo a lidar de forma segura com uma estrada pública coberta de neve, sem derrapar em uma camada de chuva congelada e avançar em uma espiral mortal em direção a um penhasco (OK, nenhum veículo autônomo registrou uma espiral mortal, pelo que sabemos, mas esse é o nosso medo). Segundo um comunicado à imprensa, o Martti, um Volkswagen Touareg adaptado, atingiu 40 quilômetros por hora em estradas nevadas sem sinalizações de pista na fria região finlandesa da Lapônia e provavelmente poderia avançar com maior velocidade sem problemas.

A maioria dos outros carros autônomos depende do Lidar -- sigla de Light Detection & Ranging, que usa luz de laser pulsado para medir distâncias entre objetos --, mas o sistema não funciona bem em condições de neve. O Martti é diferente, exclusivamente equipado para funcionar bem mesmo "quando a neve pesada afeta o desempenho do sensor 3D", disse o gerente do projeto, Matti Kutila, em e-mail à Bloomberg. "O truque é adaptar filtros", continuou; "filtro" é outra forma de dizer "algoritmo". O Martti conta com radar, três lasers virados para a frente e uma série de câmeras, antenas e sensores, além de um Lidar acoplado na parte traseira para medições precisas.

Kutila disse à Bloomberg que não prevê que o Martti chegue para valer às ruas tão cedo -- os mapas atuais das ruas não são suficientemente precisos para garantir uma viagem perfeita. Mas ele prevê que a empresa venderá o software básico que processa os dados dos sensores do Martti e dá comandos de direção, tecnologia que poderia algum dia mover ônibus e carros que transportam esquiadores para cima e para baixo de uma montanha, de forma muito parecida às vans autônomas que as empresas de cruzeiro estão desenvolvendo para transportar passageiros perto de portos.

"A ideia é exatamente essa", disse Kutila. "Carros e outros veículos podem usar essa tecnologia para produzir algo que transporte esquiadores do hotel até a montanha."

O VTT não é o único a testar um carro autônomo na neve, mas como o Martti foi projetado especificamente para essa finalidade, o centro tem uma vantagem; os testes no mundo real começaram no início do outono passado (Hemisfério Norte). Em comparação, o modelo da gigante russa de software Yandex chegou apenas a estradas privadas, e a Waymo, do Google, viu neve pela primeira vez apenas no mês passado.

Mais Economia