ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Migração tecnológica é boa notícia em má fase no Deutsche Bank

Edward Robinson

02/02/2018 12h30

(Bloomberg) -- O presidente do Deutsche Bank, John Cryan, não tinha muitas boas notícias para dar hoje. O banco sediado em Frankfurt apresentou queda da receita e aumento das despesas no quarto trimestre do ano passado. Mas ele pode dizer que uma parte essencial de seu projeto de reestruturação está avançando: a transformação sem precedentes nos sistemas de tecnologia da instituição.

"Estamos bem adiantados no sentido de nos transformarmos em uma firma direcionada pela tecnologia, fizemos progresso razoável", afirmou Cryan em teleconferência com analistas hoje cedo.

Em outubro de 2015, Cryan prometeu desfazer os nós dos sistemas operacionais e múltiplos aplicativos e plataformas acumulados ao longo dos anos. Os acionistas do Deutsche Bank estão focados na iniciativa porque práticas tecnológicas complicadas dificultaram os esforços para medir riscos e diminuir custos.

Nesta manhã, Cryan disse que o banco acabou com muitos de seus 33 sistemas operacionais principais, mas ainda precisa fazer muito para alcançar a meta de quatro sistemas. Ele acrescentou que o esforço de reorganização da área de TI, liderado pela diretora operacional, Kim Hammonds, também reduziu em 40 por cento o número de programas de "reconciliação intersistemas", que ajudam a processar transações financeiras. Nessa área o banco também precisa fazer mais para chegar à meta de 300 sistemas até 2020.

Uma das etapas críticas da atualização de TI é migrar as operações digitais de mainframes e centrais de dados para uma nuvem privada. Segundo Cryan e Hammonds, isso ajudará a reduzir as aplicações redundantes e a cortar 800 milhões de euros (US$ 998 milhões) em custos operacionais. Hoje Cryan disse que o processo tem sido "um pouco lento", com 36 por cento das operações na nuvem, enquanto a meta é de 80 por cento.

"Mas agora as autoridades reguladoras nos deram caminho livre para ampliar essa parcela nos próximos três anos para atingir nossa meta", argumentou Cryan.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia