ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Queda de websites de assessorias-robôs corta acesso a contas

Brandon Kochkodin, Suzanne Woolley e Ben Steverman

06/02/2018 13h48

(Bloomberg) -- As assessorias-robôs não acumulam muita experiência com quedas no mercado. Quando enfrentaram uma, na segunda-feira, tiveram dificuldades.

Os websites de duas das maiores assessorias-robôs dos EUA -- Wealthfront e Betterment -- caíram quando o S&P 500 Index recuou 4,1 por cento. Reclamações de pessoas que tiveram problemas para acessar suas contas se espalharam rapidamente pelo Reddit e por outros sites na internet. "É verdade?", escreveu @jlpatel23 após receber uma mensagem da Wealthfront informando que seu website estava fora do ar.

Foram reportadas quedas também nas consolidadas corretoras on-line Vanguard Group e Charles Schwab.

As falhas representam um revés para um nicho do mercado financeiro que vem se expandindo rapidamente nos últimos tempos porque as pessoas estão mais à vontade para tomar decisões sobre investimentos sem conversar com assessores humanos.

Perda de acesso

A Wealthfront reconheceu em um comunicado que seus clientes perderam acesso a suas contas por "um curto período hoje" e informou que está trabalhando para garantir que os "clientes não voltem a ter uma experiência desse tipo".

Os clientes da Betterment "tiveram problemas de acesso por aproximadamente 30 minutos nesta tarde", disse Joe Ziemer, porta-voz da empresa, por e-mail. "As contas permaneceram seguras o tempo todo e as atividades de gestão de carteira, como reequilíbrio e colheita de perda fiscal [tax loss harvesting], prosseguiram."

Na Vanguard, "alguns clientes podem ter tido dificuldades esporádicas para acessar suas contas" pela internet e por telefone, disse a porta-voz Emily Farrell, por e-mail. A demanda maior atrasou o acesso de alguns clientes da Schwab "por alguns minutos", disse a porta-voz Mayura Hooper.

Os ativos das quatro maiores firmas de assessoria-robô quase dobraram no ano passado, para um total combinado de US$ 150,2 bilhões, segundo dados compilados pela Bloomberg.

--Com a colaboração de Caleb Melby

Mais Economia