ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

México pode leiloar campos de petróleo extrapesado

Lucia Kassai e Adam Williams

06/03/2018 11h08

(Bloomberg) -- A próxima isca do México para atrair investimentos de grandes petroleiras podem ser campos de petróleo extrapesados para competir com a oferta canadense.

O país conta com quatro gigantescos campos offshore de petróleo extrapesado que poderiam ser oportunidades de exploração e produção interessantes, disse Juan Carlos Zepeda, comissário nacional de hidrocarbonetos, em entrevista no evento CERAWeek by IHS Markit, em Houston, EUA.

"Canadá, prepare-se porque estamos voltando", disse Zepeda.

O México busca reverter mais de uma década de declínio na produção de petróleo, pois a produção do país caiu para menos de 2 milhões de barris por dia no ano passado, pela primeira vez desde 1980.

Os campos de petróleo extrapesados estão localizados em águas rasas e precisariam de apenas dois a três anos para iniciar a produção, disse Zepeda. Os quatro campos -- dois de propriedade da Pemex e dois do governo -- estão localizados perto do campo mexicano de águas rasas de Cantarell e contêm o equivalente a 3,2 bilhões de barris de petróleo, disse. A produção de petróleo extrapesado seria misturada ao óleo leve para produzir o Maya, principal óleo do México, disse ele.

"O petróleo extrapesado não era econômico há três ou quatro anos", disse Zepeda. "Com a queda da produção da Venezuela e do México, ele volta a ser interessante."

Este seria o primeiro leilão de petróleo extrapesado do México. Desde que encerrou décadas de monopólio estatal, em 2013, o México realizou oito leilões para atrair investimentos, entregando 91 contratos em campos onshore, em águas rasas e em águas profundas. O país fará seu primeiro leilão de prospecção de xisto em 5 de setembro.

"Queríamos avançar com cuidado com o xisto porque é o primeiro", disse Zepeda. "No caso do xisto, precisamos trabalhar em estreita colaboração com as comunidades locais para garantir que elas compreendam os benefícios."

Mais Economia