ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Lugar mais feliz do mundo quer melhores cérebros das finanças

Raine Tiessalo

21/03/2018 13h48

(Bloomberg) -- Cerca de 30 profissionais de finanças com grande conhecimento sobre regulação bancária são necessários com urgência para ajudar a Finlândia a se preparar para a chegada de um banco internacional de importância sistêmica neste ano.

A Autoridade Finlandesa de Supervisão Financeira sabe que não pode competir no quesito remuneração. Mas, por estar situado no país mais feliz do planeta, o órgão regulador com sede em Helsinque espera que os possíveis candidatos possam encontrar outros motivos para avaliar os empregos oferecidos.

Anneli Tuominen, a chefe do órgão, diz que não se ilude. Atrair 30 especialistas em finanças a Helsinque será "um desafio", disse ela em entrevista. "Não compramos funcionários com dinheiro. Temos bons salários no contexto do setor público finlandês, mas obviamente não podemos arcar com o nível salarial do setor privado."

Há muito em jogo. O Nordea Bank, maior conglomerado financeiro da região nórdica e um banco que tem sido considerado grande demais para falir pelo Conselho de Estabilidade Financeira (FSB, na sigla em inglês), com sede na Basileia, acaba de receber a aprovação dos acionistas para transferir sua sede para a capital finlandesa. O Nordea, que criticou a Suécia, sua antiga sede, por criar um ambiente regulatório hostil, diz que estará melhor dentro da união bancária europeia.

Como o Nordea tem a sede na Suécia, a autoridade financeira finlandesa concentrará os esforços de recrutamento nesse país, disse Tuominen. Mas a busca incluirá também outros países nórdicos, a Alemanha e a Europa Central, disse ela.

Tuominen diz que espera que os novos contratados estejam a postos no início do outono (Hemisfério Norte). A relocação do Nordea está prevista para outubro. A autoridade financeira finlandesa conta atualmente com cerca de 200 funcionários, dentre eles cerca de 40 especialistas em estabilidade financeira.

--Com a colaboração de Frances Schwartzkopff

Mais Economia