Bolsas

Câmbio

Indústria da música tem crescimento mais rápido em 23 anos

Lucas Shaw

(Bloomberg) -- A indústria da música registrou o crescimento mais rápido desde que os grupos Boyz II Men e Hootie & the Blowfish lideravam as paradas de sucesso, há 23 anos.

As vendas de músicas gravadas subiram 17 por cento no ano passado nos EUA, para US$ 8,7 bilhões, segundo ganho consecutivo de receita doméstica, informou na quinta-feira a Associação da Indústria Fonográfica dos EUA (RIAA, na sigla em inglês).

Serviços de assinatura como Spotify e Apple Music lideram e as receitas com streaming pago subiram 63 por cento, para US$ 4,09 bilhões. Os serviços de streaming, incluindo rádios on-line, atualmente representam quase dois terços das receitas do setor. As vendas de CDs e outros formatos físicos aparecem em segundo lugar, com 17 por cento.

A indústria da música espera que esse crescimento continue. A Amazon.com, a Pandora Media e o YouTube, da Alphabet, estão entrando no mercado com serviços pagos. O streaming, lançado no mercado pela primeira vez há uma década, está resgatando gravadoras que enfrentavam dificuldades após anos de quedas nas vendas de CDs. As vendas on-line de músicas e álbuns do iTunes não vinham sendo suficientes para parar o sangramento.

A Spotify Technology, proprietária do maior serviço pago de música do mundo, planeja vender ações na Bolsa de Valores de Nova York no mês que vem.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos