ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

BCE temia disfarce de perdas com empréstimos em 2017, segundo fontes

Nikos Chrysoloras, Alexander Weber, Sotiris Nikas e Boris Groendahl

27/03/2018 12h32Atualizada em 27/03/2018 13h35

(Bloomberg) -- O Banco Central Europeu alertou auditores que instituições de crédito poderiam aproveitar a transição para novos padrões contábeis para espalhar as perdas com empréstimos durante vários anos em vez de registrá-las nos resultados financeiros de 2017, de acordo com três pessoas com conhecimento do assunto.

O Mecanismo Supervisório Único do BCE (conhecido pela sigla SSM e que vigia os maiores bancos da região) alertou para o risco neste ano, como parte dos diálogos regulares com contadores que fazem a auditoria dos balanços patrimoniais das instituições, segundo as fontes, que pediram anonimato porque as discussões são privativas.

A percepção é que a mudança para novas regras contábeis pode levar bancos a classificar empréstimos de recebimento duvidoso de forma que as provisões possam ser espalhadas durante um período de cinco anos e não com impacto imediato.

O SSM deu aviso para os bancos não maquiarem perdas quando finalizavam a contabilidade de 2017, segundo uma das fontes. A pessoa não esclareceu como essas preocupações foram resolvidas ou se o SSM está satisfeito com a maneira usada pelos bancos para divulgar os números de 2017.

Exigências de capital

Um representante do BCE em Frankfurt se recusou a comentar.

O SSM também compartilhou suas preocupações com a Autoridade Bancária Europeia, que supervisiona as regras do setor na UE. Nas discussões sobre o assunto, o conselho do SSM concordou que a Autoridade Bancária Europeia poderia impor exigências adicionais de capital caso concluísse que as economias de capital não eram justificadas, de acordo com outra autoridade.

O novo padrão contábil IFRS 9, que entra em vigor neste ano, exige que os bancos separem reservas para perdas esperadas nos empréstimos.

Legisladores da UE decidiram permitir que o impacto do aumento nas provisões fosse distribuído ao longo de cinco anos.

Os bancos europeus se preparam para testes de estresse em seus balanços patrimoniais neste ano, que também avaliarão o impacto das novas regras contábeis para empréstimos de recebimento duvidoso. A recuperação econômica mais firme no continente ajuda nos lucros, mas a necessidade de provisionar para o legado de empréstimos podres pesa sobre o balanço patrimonial das instituições, especialmente na Itália, Grécia e Chipre.

--Com a colaboração de Nicholas Comfort

Mais Economia