ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Ouro chegará a US$ 1.400 se houver guerra comercial, diz Sprott

Ranjeetha Pakiam

03/04/2018 10h02

(Bloomberg) -- O ouro atingirá o maior nível em cinco anos se houver uma guerra comercial global, segundo Rick Rule, CEO da Sprott U.S. Holdings, que atua no mercado há quatro décadas.

O lingote pode chegar a US$ 1.400 a onça em 2018 porque a escalada das tensões comerciais levará os investidores a refúgios e porque o bull market de três décadas dos títulos se aproxima do fim, disse Rule, que deve discursar em conferência em Hong Kong na quarta-feira. O ouro à vista é negociado a US$ 1.337,50 nesta terça-feira após três trimestres seguidos de ganhos e os ativos dos fundos negociados em bolsa estão perto do maior patamar em meia década.

O presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou a aplicação de tarifas de importação ao aço e ao alumínio e buscou novas restrições ao investimento chinês. A maior economia da Ásia retaliou impondo tarifas na segunda-feira e os EUA devem divulgar nesta semana uma nova lista de produtos chineses aos quais serão aplicadas taxas. Uma guerra comercial pode reduzir a demanda por ativos americanos e ampliar o déficit orçamentário, deixando o dólar vulnerável em caso de os compradores internacionais evitarem a dívida americana.

"Nos 40 anos em que atuo no mercado do ouro, o determinante mais importante do preço do ouro foi a confiança internacional no dólar americano e, em particular, no dólar americano expresso nos títulos de 10 anos do Tesouro americano", disse Rule em entrevista, em 29 de março. "O fato de os EUA aparentemente caminharem para uma guerra comercial de soma zero começou a preocupar as pessoas por ser algo ruim para todos no mundo, não apenas para os EUA. A possibilidade de que haja uma guerra comercial sem vencedores certamente é motivo de preocupação."

As dívidas federal, estadual e local combinadas nos EUA, no balanço e em direitos, em relação aos níveis de poupança e investimentos na economia, aumentará as preocupações em relação ao poder de compra do dólar a longo prazo, particularmente em vista dos baixos rendimentos atuais, disse Rule. O aumento da renda e da poupança na Ásia, região com disposição para comprar ouro, também pode gerar uma demanda maior, disse. A Sprott U.S. Holdings é uma subsidiária da Sprott Inc., com sede em Toronto, que mantinha 11,5 bilhões de dólares canadenses (US$ 8,9 bilhões) sob gestão em 31 de dezembro.

O abrandamento da disputa comercial China-EUA pode conter o entusiasmo dos otimistas. Na segunda-feira, a China solicitou negociações para evitar danos maiores às relações e repetiu sua posição de que as disputas devem ser resolvidas com diálogo. Além disso, a maior reforma fiscal dos EUA em anos, sancionada por Trump em dezembro, dará mais estímulo à economia americana e pode reduzir o impacto sobre o déficit orçamentário.

O BNP Paribas previu no fim de fevereiro que no fim do ano o lingote provavelmente terá um valor menor do que no começo do ano, com quatro altas de juros do Federal Reserve esperadas para 2018, enquanto a IHS Markit prevê que o ouro cairá para US$ 1.200 até o fim do ano.

Mais Economia