ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Amazon abre vagas em Riad após visita de príncipe saudita

Olivia Zaleski e Spencer Soper

06/04/2018 15h10

(Bloomberg) -- A Amazon.com está adicionando vários postos de trabalho em Riad, na Arábia Saudita, sinalizando que Jeff Bezos deseja crescer no país após uma reunião com o príncipe herdeiro.

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman, se reuniu com o CEO da Amazon em Seattle, nos EUA, na semana passada. O herdeiro do trono, de 32 anos, havia planejado analisar um possível projeto com o Ministério de Energia para que a Amazon criasse um centro de dados no país, que seria o primeiro no Oriente Médio da maior provedora de computação na nuvem do mundo, informou a Bloomberg na semana passada.

Embora não se saiba exatamente qual é a situação da proposta do centro de dados, a Amazon começou a anunciar nesta semana pelo menos cinco novos cargos em tempo integral para operações de comércio eletrônico e supermercado em Riad. O Souq.com, de propriedade da Amazon, adicionou três cargos em Dubai desde terça-feira. Raf Fatani, chefe da Amazon para o Oriente Médio e a África, anunciou as vagas em sua conta de Twitter na quarta-feira, inclusive um cargo fundamental de representante de relações com o governo. A Amazon não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Depois de ceder a China à Alibaba Group Holding, a Amazon busca uma vitória no Oriente Médio. A companhia está envolvida em uma concorrência cara contra sites locais de compras on-line na Índia, no Brasil e em outros lugares. A expansão global tem sido cara e as operações internacionais perderam US$ 3 bilhões no ano passado.

A Amazon comprou a varejista Souq.com, com sede em Dubai, no ano passado para eliminar uma das principais concorrentes da região. O Oriente Médio ficou para trás em comércio eletrônico em relação ao resto do mundo, mas as compras realizadas por meio de aparelhos móveis e on-line estão aumentando em Bahrein, Catar, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e em outros países mais desenvolvidos, onde a penetração de smartphones é maior. Estima-se que as vendas on-line no Oriente Médio e na África chegarão a US$ 49 bilhões até 2021, contra US$ 29 bilhões neste ano, segundo a empresa de pesquisa eMarketer.

Os EUA são o maior investidor na Arábia Saudita e o objetivo da viagem de três semanas do príncipe Mohammed é chegar a mais acordos, disse Sam Blatteis, ex-diretor de relações governamentais com países do Golfo do Google e hoje CEO da MENA Catalysts, uma consultoria para empresas de tecnologia em expansão no Oriente Médio. A visita do príncipe esteve praticamente livre de controvérsias, apesar das críticas internacionais que cercaram as ações recentes do governo, entre as quais um bombardeio liderado pela Arábia Saudita no Iêmen e a prisão temporária de importantes empresários no Ritz-Carlton em Riad.

"O reino precisa aumentar o investimento estrangeiro para ajudar a financiar sua ambiciosa agenda de reformas e desenvolvimento", disse Blatteis. "Esse interesse crescente pela tecnologia americana na Arábia Saudita é realmente importante."

Mais Economia