ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Bilionários da Lego planejam alto investimento em ativos verdes

Christian Wienberg

06/04/2018 13h16

(Bloomberg) -- O fundo que gerencia a riqueza dos bilionários da Lego planeja ampliar os investimentos em energia renovável.

O que começou há meia década como um projeto idealista para cancelar a pegada de carbono da fabricante de brinquedos agora começa a fazer muito mais sentido do ponto de vista financeiro para a Kirkbi, que soma US$ 16 bilhões em ativos gerenciados.

"Vemos isso como uma área de investimento", disse Soren Thorup Sorensen, CEO da Kirkbi, em entrevista por telefone, da região oeste da Dinamarca. "Estou muito satisfeito de que, após dar início a esse projeto em 2012, ele esteja começando a render lucros."

Lucros triplicados

Os lucros dos investimentos do fundo em ativos de energias renováveis mais do que triplicaram em 2017, para 398 milhões de coroas (US$ 66 milhões). A Kirkbi já detém participações em parques eólicos offshore alemães e britânicos, mas Sorensen diz que poderá se expandir para outras áreas.

"A concorrência por bons projetos cresceu bastante", disse. "Portanto, poderemos analisar também outras tecnologias, inclusive a solar, que agora se tornou muito mais eficiente."

A Kirkbi administra a riqueza do dono da Lego, Kjeld Kirk Kristiansen, o segundo homem mais rico da Dinamarca. Em 2017, a empresa cumpriu a meta de igualar o consumo de energia da Lego a uma produção equivalente de eletricidade verde (e chegou lá três anos antes do planejado).

A geração de eletricidade a partir de combustíveis fósseis está rapidamente se tornando menos viável do ponto de vista econômico devido à queda do custo das tecnologias de energia renovável, segundo relatório publicado no mês passado pela Bloomberg New Energy Finance. Na maioria dos lugares, as energias eólica e solar serão mais baratas do que a gerada pelo carvão até 2023, segundo o grupo de pesquisa.

"Começamos muito cedo, mas no mercado de energia renovável atual há muita gente ansiosa para investir, inclusive fundos de pensão", disse Sorensen. "Agora formamos um certo conhecimento nessa área na Kirkbi e estamos analisando se isso nos dá a oportunidade de fazer mais investimentos."

Mais Economia