Bolsas

Câmbio

Fortescue diz que mineradoras fecharam portas para nova oferta

Perry Williams e Stephen Engle

(Bloomberg) -- As produtoras de minério de ferro internacionais deixaram de adicionar capacidade de produção nova para alimentar as siderúrgicas chinesas, segundo a Fortescue Metals. O motivo é que o país, o maior consumidor do mundo, já conta com uma oferta abundante.

"A realidade é que a maior parte das produtoras, inclusive nós, não busca de fato ampliar a oferta de minério de ferro para a China", disse a CEO da Fortescue, Elizabeth Gaines, em entrevista à Bloomberg TV. "O mercado está muito bem abastecido e o acúmulo de estoque nos portos é um indicativo disso. Ninguém busca adicionar oferta nova ao mercado."

A Austrália, a maior exportadora de minério de ferro do mundo, emitiu sinais contraditórios sobre a perspectiva na segunda-feira. O país elevou as projeções dos preços para curto prazo, mas combinou essa revisão a uma mensagem mais pessimista de que as gigantescas importações da China deverão se estabilizar com a redução da produção de aço nos próximos anos.

"Estamos notando que a demanda continua muito forte", disse Gaines na segunda-feira. "Acreditamos que a produção de aço se manterá basicamente nos mesmos níveis. Permanecerá relativamente estável."

Gaines deu as declarações nesta semana, em Hainan, nos bastidores do Fórum de Boao para a Ásia, o equivalente local de Davos. Nenhum período prolongado de guerra comercial é útil para o crescimento econômico mundial a longo prazo, disse, prevendo que algum nível de tarifas protecionistas pode ser introduzido no contexto da disputa atual entre EUA e China.

"Ainda há muito diálogo em andamento", disse. "Existe um entendimento de que não queremos ver um período de guerras comerciais prolongadas. Acho que há uma sensação mais ampla de que deveríamos usar o senso comum na abordagem para o comércio mundial."

O mercado de ferro global viu uma fuga para a qualidade nos últimos dois anos, quando as usinas da China deram preferência a carregamentos de materiais de elevado teor ferroso, mais eficientes e menos poluentes. A diferença de preço vem diminuindo, tendência que se manterá, segundo a Fortescue.

"Vimos que uma das razões da diferença entre os minérios de maior e de menor qualidade tem sido a rentabilidade elevada das siderúrgicas chinesas", disse Gaines. "Quando essa rentabilidade passar a ser pressionada" elas buscarão o minério de menor qualidade, disse.

O material à vista com 62 por cento de teor ferroso no norte da China foi negociado na segunda-feira a US$ 63,80 por tonelada seca, segundo o website Mysteel.com. O valor contrasta com o de US$ 51,50 do material com 58 por cento de teor ferroso e com o de US$ 81,75 do minério com 65 por cento. A Fortescue produz material com uma média de cerca de 58 por cento de teor ferroso, mas procura aumentar essa porcentagem.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos