ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Marriott quer derrotar Airbnb em seu próprio território

Patrick Clark

10/05/2018 14h18

(Bloomberg) -- Webites de compartilhamento de residências como Airbnb e HomeAway são muitas vezes vistos como ladrões de clientes das empresas de hospedagem tradicionais. Agora, a maior empresa hoteleira do mundo quer contra-atacar.

A Marriott International começou a oferecer em seu website, no mês passado, aluguéis de curto prazo de residências em Londres por meio de uma parceria com uma empresa local chamada Hostmaker. Se o teste der certo, a Marriott expandirá a oferta a outras cidades, aproveitando seu programa de fidelidade e a experiência em gestão de marcas para se destacar em um mercado disputado, disse o CEO Arne Sorenson, em conferência de resultados, na quarta-feira.

"Algumas dessas plataformas cresceram e chegaram a milhões e milhões de unidades, e existem tantas alternativas que até confunde, mas faltam marcas", disse Sorenson. "Achamos que podemos trazer nossas marcas, que podemos trazer nosso foco no produto e no atendimento, e oferecer um produto simplesmente melhor do que muitos que existem por aí."

O programa-piloto de compartilhamento de residências, que a Marriott chama de Tribute Portfolio Homes, está integrado ao programa de fidelidade, segundo o website do serviço, e atualmente está limitado a cerca de 200 residências. A Marriott estudou o negócio por algum tempo e só iniciou o teste depois de concluir que a empresa é capaz de administrá-lo em total conformidade com a lei, disse Sorenson. Muitas cidades restringem aluguéis de curto prazo.

A Marriott não é a primeira empresa hoteleira a se arriscar no ramo. A Accor é proprietária do website de compartilhamento de residências de luxo Onefinestay. A Hyatt Hotels investiu em outra startup de compartilhamento de residências, a Oasis, e incorporou recentemente suas ofertas ao programa de fidelidade Hyatt.

Já a maior concorrente da Marriott está de fora da disputa, pelo menos por enquanto.

"Acreditamos que, por ser um negócio tão diferente, não precisamos ou não devemos nos concentrar nele", disse o CEO da Hilton Worldwide Holdings, Christopher Nassetta, em conferência de resultados de sua empresa, no mês passado.

Mais Economia