PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Marfrig avalia dividir Keystone em duas para a venda: Fonte

Gerson Freitas Jr., Shruti Date Singh e Cristiane Lucchesi

23/05/2018 13h18

(Bloomberg) -- A Keystone Foods, fornecedora global de nuggets de frango para o McDonald's, pode ser dividida em duas unidades depois que alguns potenciais compradores manifestaram interesse em partes separadas da companhia, segundo uma pessoa com conhecimento direto do assunto.

A Marfrig Global Foods avalia a separação das operações da Keystone nos Estados Unidos e na Ásia, disse a pessoa, que pediu anonimato porque as discussões são privadas. A Marfrig, entretanto, contratou o JPMorgan Chase & Co. para encontrar um único comprador e ainda prefere esse modelo, disse a pessoa.

A empresa brasileira disse nesta quarta-feira que selecionou 5 candidatos para a próxima fase do processo de venda da Keystone, que inclui visitas às fábricas nos Estados Unidos e na Ásia e a apresentação de uma oferta vinculante em junho. Os interessados incluem a Cargill e a Cofco International, disse a pessoa.

A Marfrig e a Cofco não comentaram a informação. A Cargill não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A Keystone, que em 2017 gerou US$ 2,8 bilhões em receitas, tem operações em 7 estados norte-americanos, bem como na Coréia do Sul, China, Malásia, Tailândia e Austrália. Apesar de seus ativos nos Estados Unidos responderem por quase 70% das vendas, a empresa teve um crescimento mais forte em seu braço asiático.

A Marfrig recebeu inicialmente 10 ofertas pela Keystone. A Tyson Foods e a Fosun International estão entre as empresas que manifestaram interesse na compra, com a qual a Marfrig pretende levantar mais de US$ 3 bilhões, disseram pessoas com conhecimento do assunto no início deste mês.

A Marfrig informou no mês passado que usaria parte dos recursos da venda para pagar sua aquisição de US$ 969 milhões da National Beef Packing, quarto maior produtor de carne bovina dos Estados Unidos. O restante dos recursos será usado para quitar dívidas, o que deve reduzir a alavancagem do frigorífico brasileiro.