ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Facebook perde popularidade para YouTube e Snapchat nos EUA

Sarah Frier

01/06/2018 14h23

(Bloomberg) -- Há três anos, o Facebook era a rede social dominante entre os adolescentes americanos, usado por 71 por cento desse grupo demográfico mágico que cria tendências. Mas já não é mais assim.

Agora, somente 51 por cento dos jovens de 13 a 17 anos usam o Facebook, segundo o Pew Research Center. A maior rede social do mundo foi eclipsada em popularidade pelo YouTube, pelo Snapchat e pelo Instagram, propriedade do Facebook.

"O ambiente atual das redes sociais hoje já não gira tanto em torno de uma única plataforma quanto três anos atrás", escreveram os pesquisadores em pesquisa publicada na quinta-feira. O YouTube, da Alphabet, é a mais popular, usada por 85 por cento dos adolescentes, segundo o Pew.

Os EUA são de longe o mercado de publicidade mais lucrativo do Facebook, com um faturamento impressionante de US$ 23,59 em receita trimestral por usuário. Mas isso não significa que o crescimento possa continuar para sempre. A empresa afirmou na última conferência de balanço que na prática o mercado dos EUA e do Canadá está saturado, com 185 milhões de usuários nos dois países juntos.

A pesquisa demonstra como é difícil poder manter esse nível de domínio e o quanto a aquisição do Instagram em 2012 foi importante para o futuro do Facebook. O Facebook não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O Instagram é ligeiramente mais popular do que o Snapchat de uma maneira geral, segundo o Pew, já que 72 por cento dos participantes da pesquisa disseram que usam o aplicativo de compartilhamento de fotos, em comparação com 69 por cento do Snapchat. Mas o Snap se mantém firme, apesar de muitas vezes o Instagram imitar suas funções. Cerca de um terço dos participantes da pesquisa disse que entra no Snapchat e no YouTube com mais frequência e 15 por cento disseram que entram mais no Instagram.

No entanto, só 10 por cento dos adolescentes disseram que o Facebook é a plataforma on-line que mais usam. A análise do Pew se baseou em uma pesquisa com 1.058 pais e mães com filhos adolescentes de 13 a 17 anos de idade e em entrevistas com 743 adolescentes. As entrevistas foram realizadas on-line e por telefone de 7 de março a 10 de abril.

O Pew apontou que a maior mudança desde sua última pesquisa com adolescentes, além da queda do domínio do Facebook, foi a onipresença dos smartphones entre os jovens. Noventa e cinco por cento dos adolescentes possuem um smartphone ou têm acesso a um, e 45 por cento disseram que estão on-line "quase o tempo todo".

Então, de certa forma, todos os aplicativos acabam ganhando.

Mais Economia